Você está em:

“Somos chamados a contribuir na construção da fraternidade social” – entrevista de dom Walmor ao Portal da CNBB

O arcebispode Belo Horizonte (MG) e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor Oliveira de Azevedo concede entrevista ao Portal da instituição, dentro da série: “Igreja no Brasil – perspectivas pastorais 2021” . 

Imagem captada antes da pandemia

Segundo o presidente da CNBB, o desafiador ano de 2020 exigiu a reorganização de diferentes instituições sociais, sem exceções, entre elas a Igreja no Brasil. “A Igreja precisou se fortalecer ainda mais no serviço aos mais pobres, com ações solidárias emergenciais. Ao mesmo tempo, considerando a exigência do distanciamento social, importante para conter a propagação da Covid-19, reconfigurou a sua ação evangelizadora, avançando aceleradamente na adequada utilização de novas tecnologias para proclamar a Palavra de Deus”, disse.

O presidente da CNBB destacou ainda que a Igreja no Brasil, em cada comunidade eclesial missionária, diante da dor da humanidade, avançou na sua tarefa de ser Casa da Palavra, Casa do Pão, Casa da Caridade e Casa da Missão, em referência aos pilares das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE 2019-2023), aprovadas na 57ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil, em maio de 2019, em Aparecida (SP).

Cultivar a Esperança

De acordo com o Arcebispo, apesar deste momento tão adverso vivido pelo mundo e pela Igreja no enfrentamento à pandemia, é possível cultivar a esperança neste novo ano. Para projetar 2021, dom Walmor aponta ser necessário contemplar o caminho já percorrido, no horizonte das Diretrizes Gerais para Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil. “O que as comunidades eclesiais missionárias têm feito, neste tempo de pandemia, é exercício encorajador para dar novos passos”, disse.

“É preciso reconhecer que o fortalecimento da Igreja a partir das DGAE 2019-2023 constitui processo contínuo, interligado com as Diretrizes precedentes, com os documentos da Igreja. Um caminho de amadurecimento permanente, que somos chamados a trilhar, na fidelidade ao que Jesus pede a cada pessoa: anunciar o Reino de Deus a toda criatura”, apontou.

Dom Walmor indica que para dar novos passos nessa missão, a Igreja no Brasil precisa ser cada vez mais acolhedora, para que todos se sintam reconfortados, amparados, nas muitas comunidades eclesiais. “A comunidade eclesial deve ser um lar para todos. Essa perspectiva nos aproxima dos primórdios da Igreja e, ao mesmo tempo, indica-nos a nossa responsabilidade neste tempo: contribuir com a construção da fraternidade social, conforme nos pede o Papa Francisco”, reforçou.

“Sejamos testemunhas dessa fraternidade em nossas comunidades, respeitando as diferenças que tanto enriquecem a nossa unidade. Assim evangelizamos em muitos contextos, especialmente nas regiões mais urbanizadas, onde os laços de fraternidade se enfraquecem, as pessoas padecem com a solidão e com relações superficiais”, exortou.