Você está em:

Padre Márcio Paiva compartilha dica literária: “Adeus à verdade”

Padre Márcio Antônio de Paiva é assistente pastoral da Paróquia Nossa Senhora Rainha, formador no Seminário Arquidiocesano Coração Eucarístico de Jesus (SACEJ) e coordenador do curso de Filosofia da PUC Minas. Nesta semana, é também o autor da nossa “Dica Literária.”  A leitura recomendada por ele é o instigante “Adeus à verdade”, do autor italiano Gianni Vattimo, publicado pela Editora Vozes. A dica desta semana é também uma espécie de “provocação”, que convida à oportuna reflexão sobre o nosso tempo.

Ainda no início da adolescência Padre Márcio começou a ter intimidade com a literatura. Leu clássicos como o Meu Pé de Laranja Lima (José Mauro de Vasconcelos),  A Moreninha (Joaquim Manuel de Macedo),  Dom Casmurro (Machado de Assis). Desde cedo, gostava de autores como José de Alencar, Castro Alves e Machado de Assis. “A literatura de qualidade traz questões fundamentais da existência humana que são filosóficas.” Questões  que acompanham o homem estão presentes nos livros. “O bem e o mal, a busca pela verdade, o sentido da vida, o bem comum, a justiça. A literatura trata desses conceitos na experiência do humano”, explica.

O livro sugerido reflete o nosso tempo, onde vivenciamos um momento que poderíamos chamar de “desinteligência”, observa.  Há uma resistência em aceitar a verdade, a ciência. Padre Márcio lembra que no tempo das fakenews podemos ser conduzidos por algoritmos, pela sofisticada neurolinguística, enquanto, ao mesmo tempo, imaginamos que estamos no controle das informações que recebemos. Assim o livro indicado é escrito neste nosso tempo, tange essa realidade atual.  Temos que “ler dentro da realidade”, ressalta.

A dica literária é um convite à leitura atenta e cuidadosa. O autor aborda temas  como o futuro das religiões cristãs, e acredita, por exemplo, em um cristianismo sem a Igreja, sem códigos de moral, a livre interpretação da vida, temas que o padre Márcio Paiva acolhe em reflexões mas não concorda com o autor: “Há um reducionismo da realidade.”  Assim, o livro do filósofo italiano é uma reflexão instigante e oportuna para o nosso tempo.