Você está em:

Pacto pela vida e pelo Brasil será lançado na Arquidiocese de BH – 12 de maio

O Pacto pela Vida e pelo Brasil, que congrega instituições brasileiras de reconhecida credibilidade e busca ajudar na construção de  um país melhor, mais justo e fraterno, será lançado na Arquidiocese de Belo Horizonte, na quarta-feira, 12 de maio, às 20h. A reunião, na modalidade telepresencial, será oportunidade para fortalecer, ainda mais, a ampla frente de trabalho que cresce, a cada dia, e busca contribuir para que o Brasil supere as suas muitas crises.

As instituições signatárias do Pacto cobram das instâncias governamentais providências urgentes para enfrentar, de modo adequado, a pandemia da COVID-19 e tantos outros males que ameaçam a vida, dom de Deus. Na Arquidiocese de Belo Horizonte, o lançamento do Pacto pela Vida e pelo Brasil está sendo coordenado pelo Vicariato Episcopal para Ação Social, Política e Ambiental.

Participam do lançamento

.  Dom Walmor Oliveira de Azevedo, arcebispo de Belo Horizonte e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)
. Antônio Fabrício de Matos Gonçalves, diretor da Ordem dos Advogados no Brasil – MG – OAB MG
. Dom Joaquim Mol, bispo auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte e reitor da PUC Minas
. Alessandra Mello, presidente do Sindicato dos Jornalistas de MG
. Professor Camilo de Lélis, integrante do Conselho Arquidiocesano do Laicato em BH – CNLB
. Cristina Britto, representante da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC
. Padre Júlio César Gonçalves Amaral, vigário episcopal do Vicariato Episcopal para Ação Social Política e Ambiental
. José Luiz Quadros de Magalhães, presidente da Comissão Arquidiocesana de Justiça e Paz BH – CAJP

ACOMPANHE PELAS REDES SOCIAIS
Facebook.com/Veaspam
Youtube.com/Veaspam

O Pacto pela Vida e pelo Brasil

O Pacto pela Vida e pelo Brasil foi divulgado no Dia Mundial da Saúde, 7 de abril. No Documento, as instituições reconhecem que o Brasil vive uma grave crise – sanitária, econômica, social e política – e que exige de todos, especialmente de governantes e representantes do povo, o exercício de uma cidadania guiada pelos princípios da solidariedade e da dignidade humana, assentada no diálogo maduro, corresponsável na busca de soluções conjuntas para o bem comum, particularmente dos mais pobres e vulneráveis.

Confira aqui o Documento na íntegra.