Você está em:

ONU anuncia o primeiro Dia da Fraternidade Humana: 4 de fevereiro, data em que o Papa Francisco assinou o documento de Abu Dhabi

No próximo dia 4 de fevereiro será celebrado pela primeira vez o Dia Internacional da Fraternidade Humana proclamado pela ONU. A data coincide com a assinatura, em 2019, do Documento de Abu Dhabi para a paz mundial e a convivência comum, pelo Papa Francisco e o líder islâmico, Grão Imame de Al-Azhar Ahmad Al-Tayyib.

A celebração do Dia Internacional da Fraternidade Humana foi promovida pelo Alto Comitê da Fraternidade Humana, formado em agosto de 2019, tendo por meta alcançar os objetivos do Documento de Abu Dhabi e desenvolver uma estrutura operacional para as indicações do documento. Os membros do Comitê, entre os quais o Reverendo Ioan Sauca, Secretário Geral Interino do CMI, apresentaram a proposta em dezembro de 2019 durante um encontro com o Secretário Geral da ONU, António Guterrez.

O pedido foi então levado para apreciação à Assembleia Geral, em nome de 34 países, e a resolução final teve o apoio dos Estados Unidos e dos 27 estados membros da União Europeia. Em declaração, a ONU explicou que esse dia pretende ser uma resposta concreta da Assembleia “ao crescente ódio religioso que surgiu nestes meses tão afetados pela pandemia da Covid-19”. Além do Reverendo Sauca, que é ortodoxo, o Alto Comitê para a Fraternidade Humana é formado por cinco muçulmanos, dois católicos, um rabino judeu e um ex-Secretário Geral da UNESCO.

Tarefas do Comitê

As tarefas do Comitê incluem supervisionar a implementação do Documento de Abu Dhabi em nível regional e internacional e organizar encontros internacionais com personalidades religiosas, vários líderes, chefes de organizações internacionais e outras partes interessadas. Além disso, desempenha um papel central na supervisão da Abrahamic Family House em Abu Dhabi, uma de suas primeiras iniciativas, que encarna a relação entre as três fés Abraâmicas e fornece uma plataforma para o diálogo, compreensão e coexistência entre suas religiões. Deve-se lembrar que em 14 de maio, o Comitê havia promovido um Dia especial de Oração, Jejum e Súplica pela humanidade contra o Coronavírus, que teve também a participação do Papa Francisco.