Você está em:

Músicos são convidados a compor o hino oficial do Ano Santo de 2025

Músicos do Brasil e dos cinco continentes são convidados a compor a música do hino oficial do Ano Santo de 2025, que tem como lema “Peregrinos da Esperança”, escrito pelo compositor  Pierangelo Sequeri. As partituras podem ser apresentadas até dia 25 de março de 2023.

O Setor do Dicastério para as questões fundamentais da evangelização no mundo, ao qual o Papa Francisco confiou a organização do próximo Jubileu, pede que a composição musical expresse a identidade do evento. Em um comunicado, o Dicastério explica que o lema do Jubileu escolhido pelo Papa Francisco, “Peregrinos da esperança”, poderá orientar os músicos dos vários continentes a compor uma música que sintetize este tema específico.

Segundo o Regulamento, deve-se levar em conta o objetivo litúrgico e a possibilidade de que a partitura possa ser executada por uma schola cantonmum (escola de canto, coral e coro jovem) bem como por uma assembleia litúrgica. O texto musical deve ser inédito.

Como participar do Concurso

A participação no Concurso é gratuita.  Para mais informações é só acessar o site do Vaticano  www.iubilaeum2025.va/it/inno.html ou a página do Dicastério www.pcpne.va onde, a partir de 16 de janeiro de 2023, será possível baixar a proposta completa. O prazo para as candidaturas é até 25 de março de 2023, às 20h (CET). Um júri especial, que será nomeado a seguir, passará à avaliação das propostas e decidirá qual será a música do hino oficial do Jubileu de 2025.

O canto na vida dos fiéis

Segundo o comunicado do Dicastério, o canto caracteriza a vida de fé, que é uma “peregrinação à luz do Senhor Ressuscitado”. Mostram isso também as Sagradas Escrituras repletas de cânticos e cujos Salmos são um exemplo luminoso. “Por exemplo, as orações do povo de Israel eram escritas para serem cantadas e apresentadas diante do Senhor as vicissitudes mais humanas. A tradição da Igreja nada mais faz que prolongar esta união, fazendo do canto e da música um dos pulmões da própria liturgia”, diz o comunicado.