Você está em:

[Artigo] Um novo Secretariado Arquidiocesano de Juventude (SAJ): serviço às juventudes – Padre Joel Maria dos Santos

“(…) A juventude é um tempo abençoado para o jovem e uma bênção para a Igreja e o mundo” (Papa Francisco, exortação pós-sinodal Christus Vivit, nº 135).

 

“E para concluir… um desejo: Queridos jovens, ficarei feliz vendo-vos correr mais rápido do que os lentos e medrosos. Correi ‘atraídos por aquele Rosto tão amado, que adoramos na sagrada Eucaristia e reconhecemos na carne do irmão que sofre. O Espírito Santo vos impulsione nesta corrida para a frente. A Igreja precisa do vosso ímpeto, das vossas intuições, da vossa fé. Nós temos necessidade disto! E quando chegardes aonde nós ainda não chegamos, tende a paciência de esperar por nós’” (Cristus Vivit, nº 299).

Este desejo do Papa Francisco, manifestado aos jovens e a todo o povo de Deus, é o caminho que toda a Igreja é chamada a percorrer. Particularmente, em nossa Arquidiocese de Belo Horizonte (ABH), nós o assumimos como diretriz, no horizonte da Casa da Missão, com o Projeto de Evangelização “Proclamar a Palavra”. Investir na ação evangelizadora da e com as juventudes, contemplando a integralidade de sua formação, espiritualidade, articulação e missão, é o compromisso de nossa Igreja Arquidiocesana.

Com o objetivo de tornar realidade o referido desejo acima mencionado, estamos configurando um novo SAJ, no contexto de uma evangelização missionária e em um novo tempo com profundas e significativas interpelações. À luz de um adequado discernimento e indicação do nosso arcebispo Dom Walmor e seus bispos auxiliares e diante da complexidade do mundo juvenil, com suas inúmeras possibilidades e limites, faz-se necessário um secretariado que seja capaz de atender às muitas demandas das juventudes. Queremos que ofereça oportunidades de encontro, de reflexão, motivação e indicação de caminhos possíveis, integrando a pluralidade de expressões juvenis e, até mesmo, aquelas que não estão inseridas em nossa caminhada eclesial. Trata-se de investir num trabalho importante com as juventudes.

A composição do novo SAJ compreende a participação de um presbítero e um jovem de cada região episcopal. Os mesmos foram escolhidos, fruto de diálogos e discernimentos, pelos bispos auxiliares, atendendo a critérios fundamentais capazes de contemplar a proposta deste novo caminho. Este Secretariado contempla também a escolha e participação de jovens inseridos no importante serviço da Pastoral Universitária, realizado nos vários núcleos da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Compreender bem e amar bem é o que disse Dom Joaquim Mol Guimaraes. O trabalho com as juventudes compreende afeto, amor, laços, mas existe também o lado exigente que diz respeito à necessidade de conhecer, saber, refletir, aprofundar. Daí, a necessidade de uma formação competente, que será oferecida pela Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (FAJE), a que este novo grupo vai se dedicar, especializando-se no trabalho com as juventudes. Segundo Dom Vicente Ferreira, a urgência deste grupo será a de articular compreensão e prática. O perigo é a redução do trabalho com as juventudes apenas à promoção de encontros, movimentos e peregrinações. É preciso pensar o que é próprio dos jovens, motivar caminhos com roteiros, reflexões, presença, afeto e que se contemple questões complexas que envolvem as juventudes. Este grupo, o SAJ, precisa dirigir-se às juventudes que estão na “ponta” e que estão tentando sobreviver, encontrando saída pela arte, música e cultura. Para isto, é preciso estar abertos e acolher para dialogar até mesmo aqueles que não estão no nosso meio, não são da Igreja, afirma Dom Vicente.

Na busca permanente da sua juventude, a Igreja será cada vez mais jovem, toda e cada vez que ela se aproximar de Jesus Cristo, de sua Palavra, dele que é a fonte e verdadeiro companheiro e amigo dos jovens, como afirma o Concílio Vaticano II. Daí, faz-se necessário que a Igreja se liberte daqueles que querem envelhecê-la, ancorá-la no passado, travá-la, torná-la imóvel. “São  precisamente os jovens que a podem ajudar a permanecer jovem, não cair na corrupção, não parar, não se orgulhar, não se transformar numa seita, ser mais pobre e testemunhal, estar perto dos últimos e descartados, lutar pela justiça, deixar-se interpelar com humildade” (idem, nº 37).

Portanto, as juventudes, nas suas muitas expressões e rostos, são capazes de conferir à Igreja a beleza da juventude, contribuindo na missão que é evangelizar. Nossa Igreja Arquidiocesana, na consciência da sua missionariedade, por meio do SAJ, acolhe seus novos membros e renova seu compromisso de valorizar, motivar, acompanhar e fortalecer o serviço junto às juventudes com novo ímpeto, novas intuições, novos horizontes, fortalecida pela fé.

 

                                                   Pe. Joel Maria dos Santos

                            Vigário Episcopal para a Ação Pastoral