Você está em:

[Artigo] Ser Igreja é ser Povo de Deus – Neuza Silveira, Secretariado Arquidiocesano Bíblico-Catequético de Belo Horizonte

O projeto de Deus é o de salvar o ser humano em comunidade. Uma comunidade que é povo de Deus fundado na nova aliança graças ao sangue de Cristo. Esse povo é constituído de homens e mulheres provenientes de toda nação e cultura. Desse povo, Cristo é a cabeça, e em seus corações, como num templo, habita o Espírito Santo, esse que é a comunicação de amor entre o Pai e o Filho. Jesus nos comunica esse Espírito e nos faz partícipe da família divina. Assim, somos constituídos herdeiros de Deus e somos chamados a viver a fé em Cristo como uma aventura comunitária, com o objetivo de transformar o mundo e promover a realização do projeto de Deus.
Como viver a fé em Cristo ressuscitado, hoje?

A comunidade cristã é o lugar em que se pode encontrar o Senhor ressuscitado. Podemos assim dizer, baseado na experiência dos primeiros cristãos que foram em busca do ressuscitado e o encontraram na comunidade reunida (Mt 18,20); na escuta comunitária da Palavra (Lc 24,32); na celebração eucarística (Lc 24,35), na entrega da vida pelo Reino (Mt 25,40) e nos sinais dos tempos e na história (Mt 28,20). Suas experiências nos dão a garantia de que o que eles acreditaram e viveram é a mensagem de Jesus Cristo, anunciada pelos apóstolos.

Nesse sentido, a Igreja nos convida a fazer um resgate do anúncio cristão nos moldes da Igreja primitiva como modelo para o novo anúncio. A Igreja percebe, na realidade atual, a importância de um novo anúncio e de uma nova evangelização que fala ao homem de nosso tempo. Como apresentar Jesus Cristo a partir dessa nova realidade é um dos grandes desafios da Igreja hoje, ou seja, desafios dessa comunidade cristã que constitui a Igreja.

As primeiras comunidades se reuniam para ouvir os ensinamentos dos apóstolos, partir o pão, participar das orações e viver unidos. Hoje, a comunidade se reúne para a celebração da Eucaristia e, alimentada pelo pão divino, tem como missão anunciar a Palavra e realizar obras junto aos irmãos na fé, a exemplo dos primeiros cristãos, pois é assim que se pode alimentar e amadurecer a fé.

A fé é um ato pessoal de adesão a Deus. Deve ser cultivada para crescer sempre mais. Precisa ser alimentada com testemunhos de pessoas que a experimentam, ser esclarecida pela revelação – da mesma forma que aconteceu com o Povo de Deus na Bíblia – e ser expressa em oração.

A fé vem nos dar a certeza da presença amorosa de Deus em nossa vida. É a nossa resposta ao amor de Deus. Quando entramos nessa vida de comunidade, a Igreja cristã, pelo Batismo, Deus nos dá todos os dons, nos aceita como filhos e nos perdoa de nossos pecados quando abrimos nosso coração a Ele. Viver a vida cristã é desafio constante. É mergulhar na vida do Cristo e sair para servir, para anunciar ao outro a Palavra de Deus. Abrir-se ao outro para viver a fraternidade, acolher e dialogar, como nos orienta o Papa Francisco.

O Papa Francisco continua essa missão dos apóstolos e está sempre a nos lembrar do nosso compromisso de ser Igreja peregrina, em saída, sempre em busca de pessoas que gostariam de conhecer Cristo, suas palavras e experimentar seu verdadeiro amor, pois é em Jesus Cristo que o cristão recebe a sua identidade e missão – nesse sentido, visitar, acolher e escutar a Igreja que vai ao encontro do outro, daquele que também deseja ser Igreja e fazer sua experiência pessoal de fé junto à comunidade.

A paixão pelo Reino de Deus nos leva a desejá-lo cada vez mais presente entre nós e nos impulsionam para a partilha dos dons recebidos.

Neuza Silveira de Souza
Coordenadora do Secretariado Arquidiocesano Bíblico-Catequético de Belo Horizonte.