Você está em:

[Artigo] Advento – Tempo de esperar – Neuza Silveira, Secretariado Arquidiocesano Bíblico-Catequético

O Advento é o tempo litúrgico que antecede o Natal. Tempo de perseverar na prática do bem e aplicar à vida de oração e à construção de relações fraternas. Vigilância e oração, temas fortes e frequentes no tempo do Advento, são recomendações de Jesus para a nossa vida. Estar vigilantes é uma prática que aprendemos com Jesus Cristo, sempre pronto a fazer a vontade do Pai. A oração perseverante coloca-nos sempre na presença do Senhor. Continuemos firmes e perseverantes na caminhada do novo Ano Litúrgico que se inicia. Os primeiros passos, são de esperança, de expectativa, aguardando a vinda do Senhor.

Esse primeiro tempo, chamado Tempo do Advento, inicia-se na noite do sábado, véspera do 1º domingo, e vai até o dia 24 de dezembro. Experimentemos esse novo tempo que se inicia, sempre atentos aos ensinamentos do Mestre Jesus que, a cada ano, renova conosco a esperança de tempos melhores.

No primeiro domingo, o evangelista Lucas nos apresenta um texto que faz parte do longo discurso de Jesus, em Jerusalém, nos últimos dias de sua vida. Ele chama a atenção para os sinais dos tempos e a vinda do Filho do Homem. Assim como a comunidade de Lucas, somos chamados a estarem sempre vigilantes para não se deixar enganar pelos acontecimentos do dia a dia. Somos chamados a confiar no Senhor que conduz a história, pois estamos num tempo novo, de novas esperanças. Tempos melhores, mas que exige empenho de nossa parte. Prontidão e coração cheio de esperança para acolher com alegria o Senhor que vem nos visitar.

Nesse tempo precioso somos convidados a recordar o mistério da salvação e reavivar os valores cristãos. Fazemos memória da manifestação do Senhor Jesus em sua encarnação e em nossa história, enquanto aguardamos a sua nova vinda.

O tempo do Advento deve ser celebrado com sobriedade e discreta alegria. Flores e instrumentos musicais deverão ser usados com moderação. Nessas quatro semanas somos convidados a esperar Jesus que vem. É um tempo de preparação e de alegre espera do Senhor. Nas duas primeiras semanas do Advento, a liturgia nos convida a vigiar e esperar a vinda gloriosa do Salvador. Nas duas últimas, a Igreja nos faz lembrar a espera dos Profetas e de Maria pelo nascimento de Jesus.

Tempo de esperança na renovação de todas as coisas, na libertação de todas as amarras que nos prendem e não nos conduzem à vida eterna. Esperança para vencer as dificuldades, tribulações e medos que nos acompanham a cada instante. Tempo propício de conversão para preparar o caminho do Senhor, por meio da oração e um profundo mergulho na Palavra. A Igreja celebra esse tempo exortando seus filhos e filhas a despertar para a novidade que Deus quer realizar através do seu Filho Jesus.

Vejamos a beleza dos símbolos do Tempo do Advento.

Vários símbolos do Advento nos ajudam a mergulhar no mistério da encarnação e a vivenciar melhor este tempo. Entre eles há a coroa ou grinalda do Advento. Ela é feita de galhos sempre verdes entrelaçados, formando um círculo, no qual são colocadas 4 grandes velas representando as 4 semanas do Advento. A cada domingo uma vela é acesa; no 1° domingo uma, no segundo duas e assim por diante até serem acesas as 4 velas no 4° domingo. A luz nascente indica a proximidade do Natal, quando Cristo, o salvador e luz do mundo, brilhará para toda a humanidade, e representa também, nossa fé e nossa alegria pelo Deus que vem. A cor roxa das velas nos convida a purificar nossos corações em preparação para acolher o Cristo que vem. A vela de cor rosa, nos chama a alegria, pois o Senhor está próximo. Os detalhes dourados prefiguram a glória do Reino que virá.

Símbolos presentes na coroa

A forma circular: O círculo não tem princípio, nem fim. É sinal do amor de Deus que é eterno, sem princípio e nem fim. É também sinal do nosso amor a Deus e ao próximo que nunca deve terminar. Além disso, o círculo dá uma ideia de “elo”, de união entre Deus e as pessoas, como uma grande “Aliança”.

Os ramos verdes: Verde é a cor da esperança e da vida. Deus quer que esperemos a sua graça, o seu perdão misericordioso e a glória da vida eterna no final de nossa vida. Bênçãos que nos foram derramadas pelo Senhor Jesus, em sua primeira vinda entre nós, e que agora, com esperança renovada, aguardamos a sua consumação na sua segunda e definitiva volta. Os ramos dos pinheiros permanecem verdes apesar dos rigorosos invernos, assim como os cristãos devem manter a fé e a esperança apesar das tribulações da vida.

A fita vermelha: A fita e o laço vermelho que envolvem a grinalda simbolizam o Amor de Deus ou o próprio Espírito Santo a embalar toda criação que é remida com a chegada de Jesus.

As bolas: As bolas simbolizam os frutos do Espírito Santo que brotam no coração de cada cristão.

As quatro velas: As quatro velas da coroa simbolizam, cada uma delas, uma das quatro semanas do Advento. No início, vemos nossa coroa sem luz e sem brilho. Recorda-nos a experiência de escuridão do pecado. Na medida em que se vai aproximando o Natal, vamos acendendo uma a uma as quatro velas representando assim a chegada do Senhor Jesus que traz aos nossos corações a reconciliação tão esperada. A primeira vela lembra o perdão concedido a Adão e Eva. A segunda simboliza a fé de Abraão e dos outros Patriarcas, a quem foi anunciada a Terra Prometida. A terceira lembra a alegria do rei Davi que recebeu de Deus a promessa de uma aliança eterna. A quarta recorda os Profetas que anunciaram a chegada do Salvador.

Geralmente na Igreja Católica a cor das velas segue a cor das vestes litúrgicas do sacerdote, sendo assim, a cor roxa é usada no primeiro, segundo e quarto domingos do Advento simbolizando a conversão e penitência e, a cor rosa no terceiro domingo (Gaudete) simbolizando a alegria em meio à expectativa da chegada de Jesus.

 

Neuza Silveira de Souza. Coordenadora do Secretariado Arquidiocesano Bíblico-Catequético de Belo Horizonte.