Você está em:

[Artigo] A Igreja em festa: o Ministério de Catequista- Neuza Silveira, Secretariado Bíblico-catequético de BH

Mês de Maio, mês dedicado às mães, mês da alegria, Mês de Maria, a mãe de Jesus, a primeira catequista na história da fé cristã, mês em que a Igreja institui o Ministério do Catequista.

Mas o que é mesmo ministério?

A catequista é aquela que, em virtude da fé e da Unção Batismal, na colaboração com o Magistério de Cristo e como servo da ação do Espírito Santo, é considerada uma testemunha da fé e guardiã da memória de Deus, ou seja, ela guarda a Palavra de Deus, protege-a, testemunha sua verdade porque crê, porque é ungida pelo batismo, e tem como serviço anunciar essa Palavra a todos. Ela obedece ao mandato de Jesus de ir e anunciar a todos e batizar em nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo, constituindo a todos, seus discípulos. Essa é a missão da catequista e é esta missão que é reconhecida como ministério.

O Papa Francisco instituiu nessa terça-feira, dia 11 de maio, o ministério de Catequista, na Igreja, conforme está estabelecido na carta apostólica de Motu próprio “Antiquum ministerium”. Ele reconhece o serviço catequético como um ministério, como algo que procede de uma nova eclesiologia apresentada pelo Vaticano II. Esse documento estabelece formalmente ministério de catequista desenvolvendo a dimensão evangelizadora dos leigos desejada pelo Concílio Vaticano II. Com esta decisão, o Papa Francisco revela o reconhecimento e a plena valorização dos leigos, uma urgência e também uma necessidade na sociedade atual. A instituição desse ministério pela Igreja torna evidente que a catequista tem realizado um autêntico serviço eclesial à comunidade cristã.

Catequistas – seguidoras de Cristo

No conjunto dos ministérios e serviços, com os quais a Igreja cumpre sua missão evangelizadora, o ministério da catequese (CT, n. 13) ocupa um lugar significativo, indispensável para o crescimento da fé. Esse ministério introduz à fé e, juntamente com o ministério litúrgico, gera os filhos de Deus no seio da Igreja.

As catequistas, ao se colocarem no seguindo do Cristo Jesus e cumprindo seu mandato: “Ide, portanto, e fazei que todas as nações se tornem discípulos, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e ensinando-as a observar tudo quanto vos ordenei” (Mt 28, 19-20); “Recebereis uma força, a do Espírito Santo, que descerá sobre vós, e sereis minhas testemunhas até os confins da terra” (At 1,8), passam a anunciam a Palavra de Deus revelada, uma palavra que Deus se manifesta nela e assim fala a todas as criaturas, pois assim ele desejou. A vontade de Deus de dialogar com toda a humanidade, de encontrar com as pessoas que criou se concretiza na missão evangelizadora da Igreja.

Deus, ao longo do caminhar, desde a criação vem falando a todos, de múltiplas maneiras, para manifestar sua amizade. Nos últimos tempos passou a nos falar por meio do filho que nos enviou. Esse diálogo construído no compromisso mútuo abre-se na história pessoal e coletiva da comunidade de fé. Israel, desde a promessa, e a Igreja, desde o cumprimento da mesma, são depositários da Palavra de Deus, manifestada de uma vez por todas na pessoa de Cristo.

O modelo próprio do ministro cristão da Palavra pode ser encontrado nos textos do Novo testamento. A palavra do Pai e do Filho foi recolhida pelo Espírito, o qual fala aos que crê, pessoal e comunitariamente, com uma linguagem interior sempre nova. Sem ele, a palavra de Deus e a obra salvífica de Cristo ficariam sem resposta. Assim, o Espírito guia o mensageiro da Palavra, o ministro, cuja responsabilidade e função, são tão admiráveis, que na primeira carta de Pedro diz que até os anjos estão desejosos de ouvir e desfrutar dessa mensagem (1Pd 1,12).

O Evangelho é anúncio de salvação e é oferecido de forma universal como se pode perceber no mandato solene do ressuscitado que envia seus discípulos a serem ministros da Palavra, servos da mensagem do evangelho (Mt 28,18-20). Para a missão acontecer deve-se passar pelo batismo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e pela catequese destinada a orientar a vida do novo discípulo (cf. Tarrech, A.P., pág. 749. In: Dicionário de Catequética). No exercício de seu ministério, a catequese coloca-se a serviço da Iniciação à Vida Cristã, fazendo ressoar no coração de cada pessoa a Palavra de Deus, através do anúncio da fé, na missão de ajudar as pessoas a descobrir a beleza do evangelho que leva a crer.

Neuza Silveira de Souza
Coordenadora do Secretariado Arquidiocesano Bíblico-Catequético de Belo Horizonte.