Artigo de dom walmor

Você está em:

Advogada da justiça

No magistral discurso de abertura da 5ª Conferência do Episcopado Latino-americano e Caribenho, em Aparecida (SP), o então Papa Bento XVI, em uma interpelante afirmação, partilha: a Igreja Católica é advogada da justiça e defensora dos pobres diante das intoleráveis desigualdades sociais e econômicas que, ainda hoje, clamam aos céus. A afirmação de Bento XVI, enraizada na Doutrina Social da Igreja, ecoou forte no texto do Documento de Aparecida. Fundamenta-se na Palavra de Deus e na Tradição da Igreja. Não pode, pois, ser confundida com uma opção político-partidária. Trata-se de um compromisso para contribuir com o renascer da esperança dos pobres. E o Documento de Aparecida adverte: se não se é capaz de suscitar esperança para os pobres, não haverá esperança para ninguém, nem mesmo para os chamados ricos.

Compreende-se assim que a opção preferencial pelos pobres tem sentido e raízes na autêntica fé em Cristo, o Salvador e Redentor do mundo. A compreensão dessa verdade implica na consideração prioritária dos pobres em tudo, exercício humanístico e espiritual para reconhecer critérios alinhados com a defesa da justiça. Assim, a Igreja se torna, por exigência evangélica, advogada da justiça e defensora dos pobres – desdobramento e efetivação da vivência autêntica da fé. Ora, não se pode desconsiderar que a fé em Cristo nasce também da solidariedade – atitude permanente de encontro, de fraternidade e de serviço. Isto significa fazer valer uma justiça que advoga em defesa da vida, em todas as suas etapas, da concepção ao declínio com a morte natural, englobando a superação de situações ameaçadoras do meio ambiente. Dentre essas situações, uma perspectiva de certos agentes do sistema legal eivada de contaminações, particularmente daquelas advindas do espectro do lucro, de um mercado que manipula escolhas, votações e pareceres, enquadrados, não raramente, na frieza de interpretações que desconsideram a busca pela justiça.

Por isso, longe de qualquer viés ideológico político-partidário, nestes tempos difíceis, faz-se importante e prioritário partir sempre da perspectiva dos pobres, possibilidade para um novo despertar humanístico, na superação dos cenários de exclusão, de discriminações e de desigualdades sociais. O cuidado com os pobres, dedicando-lhes amável prestação de serviço, escutando seus clamores, alicerça o despertar de uma cidadania essencial a uma sociedade que precisa ser mais justa, ou sofrerá com um fracasso generalizado. Urgente é desenvolver, conforme orienta o Papa Francisco, na sua Carta Encíclica sobre a Amizade Social, a capacidade de escutar o próximo, especialmente os pobres, atitude receptiva exemplar, superando perspectivas narcisistas. Mas a cegueira imposta a partir do interesse pelo lucro a todo custo está produzindo uma séria deficiência auditiva. Cegueira moral e deficiência auditiva impostas pelo narcisismo dos que escutam apenas a si mesmos, procurando simplesmente contemplar seus próprios interesses. Posturas egoístas que acentuam freneticamente as disputas, fazendo valer tudo, a qualquer preço.

O bem da humanidade depende do reconhecimento de que todo ser humano é irmão e irmã, princípio essencial para que prevaleça uma amizade social capaz de integrar cada vez mais pessoas. A efetivação dessa meta exige o adequado exercício da política, vivida como elevada expressão da caridade, unindo pessoas em torno de processos construtivos, bem administrando diferenças para alavancar o desenvolvimento humanístico integral. É doloroso e preocupante conviver com os acirramentos, os ódios provocados pelo desarvoro de se buscar a vitória a qualquer custo, sobretudo pela destruição de reputação moral, ilusoriamente alimentando o imaginário que se pauta pela lucratividade. Uma realidade que impõe preço impagável de atrasos, danos ao patrimônio de todos, inclusive à memória histórica. Prejuízos que são fruto da inadequada relação com o meio ambiente e entre os cidadãos, com parâmetros legislativos que impõem atrasos – significativas perdas apresentadas como se fossem “progressos” e “avanços”. O alto preço pago pelos inadequados tratamentos do meio ambiente, dos cidadãos e de seu patrimônio histórico e cultural urge a união de instituições sérias que atuem como advogadas da justiça.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte
Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil