Você está em:

Uma carta de amor a Jesus Eucarístico


 

Acredito que os místicos, os santos, continuarão sempre a escrever e nos deixarão o melhor de si, como a beata Maria Cândida da Eucaristia, que deixou vários textos preciosos.  Beatificada em 21 de março de 2004 pelo Papa João Paulo II, Maria Cândida da Eucaristia era carmelita descalça do Carmelo de Ragusa, na bela Sicília, Itália. Terra cheia de sol, de mar, de gente temperada no sofrimento, mas boa de coração, com forte espiritualidade. Esta monja carmelita descalça, nascida no dia 16 de janeiro de 1884, quando Teresinha de Lisieux tinha apenas 11 anos, passou uma infância normal, sem sofrimento.

 

Irmã Cândida da Eucaristia fez do nome projeto de vida. Importante referencial para o Carmelo, passou a ser chamada a “Mística da Eucaristia”.

Os pais eram pessoas de posses, mas como era exigido na Sicília do tempo, não era permitido às mulheres estudar muito. Terminados os estudos primários, aos 14 anos, viu-se obrigada a deixa-los de lado e a se preparar para ser uma boa moça da sociedade. E uma boa jovem não podia desconhecer o piano. Aprendeu a tocar relativamente bem. Esperou até os 35 anos quando e, contrariando a família, entrou no Carmelo de Ragusa.

No noviciado, como era costume, trocou o nome de Maria Barba para irmã Cândida da Eucaristia. Este nome foi o seu projeto de vida até a morte, em  12 de junho de 1949. Foi também importante referencial para o seu Carmelo, sendo muitas vezes priora e formadora. Toda a vida de irmã Cândida foi um hino de amor a Jesus Eucarístico, a ponto de ser chamada a “Mística da Eucaristia”. Não escreveu obras de teologia, mas nos transmitiu o seu amor a Jesus por meio de poesias, orações e breves meditações.
 

Apresento, aqui, um texto dessa beata escrito em forma de carta. Ela sente a presença viva de Jesus e a ele dirige as palavras mais doces e ternas que sabe pronunciar o seu coração enamorado e apaixonado. Não há nela frieza e nem medo de não ser entendida. O amor é sempre compreendido por aqueles que amam.

 

Somos alimentados com Cristo Eucaristia para, com o mesmo amor, alimentarmos o amor
dos nossos irmãos e irmãs.

Oh Jesus hóstia de amor, hóstia imaculada, imenso fascínio da minha alma, gostaria de contemplar-te sempre, beber de ti um amor e uma pureza infinitos. Gostaria de ser semelhante a ti, para alegrar-te. Ó meu Jesus, doa-me o esplendor da hóstia, dá-me o candor da hóstia imaculada… Ó alimento divino, gostaria de transformar-me em ti, de tornar-me para ti como tu uma hóstia pura, dulcíssima e santa. Como eu me comprazo em ti, assim gostaria que tu te comprazas em mim. (Clique aqui para ler a carta na íntegra )

Que as palavras de Beata Cândida da Eucaristia possam ser para nós um momento de adoração a Jesus presente em todos os sacrários do mundo e para que todos possam redescobrir a beleza de Jesus que nos deixou a plenitude do seu amor para que nada nos possa afastar dele e dos irmãos.

Somos alimentados com Cristo Eucaristia para, com o mesmo amor, alimentarmos o amor dos nossos irmãos e irmãs tão sedentos de paz e de alegria. 

Frei Patrício Sciadinni, OCD
teólogo e escritor