Você está em:

Semana Santa ““ Celebração dos grandes mistérios da redenção humana

Encontramo-nos no ápice do tempo litúrgico. É o Ciclo Pascal que se inicia com a quarta-feira de cinzas. A partir dela se abre um tempo especial na liturgia, a Quaresma, um tempo de preparação para bem vivenciarmos e celebrarmos a Páscoa. Na liturgia, as cinzas tem a função de abrir nosso coração para a prática da misericórdia. Chama-nos à humildade e o bom relacionamento com nossos irmãos na fé, nos fazendo mais humildes. As cinzas são, em nossa liturgia, símbolo que nos faz olhar para frente e nos indica o caminho da conversão. Viver a conversão no nosso dia-a-dia nos impulsiona para a prática da vivência da caridade, da oração e do Jejum.

O nosso olhar, ao ser projetado para o além do nosso cotidiano, nos faz enxergar e viver o “Mistério” da nossa fé: o Mistério Pascal.

Celebrações na semana santa

Celebrar a Semana Santa, para nós, cristãos católicos, é recordar a Paixão e a Ressurreição de Cristo, desde a sua entrada messiânica em Jerusalém. Esse mistério faz parte da nossa vida, mas nesta Semana ele é recordado e vivido de forma intensa. Esta recordação aqui não é o simples ato de lembrar-se do passado, de um evento acontecido, mas um recordar que nos transporta para o passado e nos leva a experimentar todos aqueles momentos junto com Jesus e com toda aquela comunidade.

Nos ritos celebrados nestes dias da Semana Santa incluem-se ritos especiais como: a bênção e a procissão dos ramos, a transladação do Santíssimo Sacramento depois da Missa da Ceia do Senhor, a ação litúrgica da Sexta-feira da Paixão do Senhor e a Vigília Pascal.

Celebrar o Domingo de Ramos nos faz recordar a entrada de Jesus em Jerusalém. Nesse sentido, ao celebrarmos as bênçãos dos Ramos e caminhar em procissão, fazendo a entrada triunfante na Igreja (Templo Sagrado), estamos, em comunidade, experimentando toda a alegria do acontecimento daquele dia: a chegada do Senhor em Jerusalém para celebrar a Páscoa do seu tempo. Esta procissão e a benção dos ramos para nós constitui um só rito litúrgico não podendo fazê-lo em separado.

No caminhar da Semana-Santa, a liturgia da Palavra nos conduz e nos ajuda a percorrer o caminho de Jesus. Neste caminho refletimos sobre a unção: É o servo ungido por Deus para servir. A unção nos faz partícipes das coisas de Deus, da sua vida. No dia seguinte vamos aprender que não temos como esconder de Deus, pois ele nos conhece e nos chama antes mesmo de termos nascido e, na vida, somos convidados a sermos perseverantes a Deus em meio ás grandes diversidades deste mundo. Na quarta-feira, véspera do Tríduo Pascal, vamos juntos fazer uma revisão de vida nos preparando para bem celebrar a paixão, morte e ressurreição do Senhor e deixar que a Páscoa aconteça em nossa vida.

A Sexta Feira Santa, é o dia em que celebramos a morte de Jesus na cruz. O Domingo de Páscoa celebra a Ressurreição de Jesus e sua primeira aparição entre seus discípulos.
No próximo encontro continuaremos conversando sobre a festividade da Páscoa.

Neuza Silveira de Souza
Coordenadora da Comissão Arquidiocesana Bíblico-Catequética de Belo Horizonte