Você está em:

“Rezar de olhos abertos é um livro que nos refaz”, indica Lucimara Trevizan

Nossa  “Dica literária” dessa semana é compartilhada  por Lucimara Trevizan,  assistente episcopal para o Vicariato Pastoral (Veap).  Lucimara costuma encontrar os livros por todos os caminhos: em sites especializados, pelo kindle, em variadas plataformas digitais e no papel, que continua sendo o seu modo preferido de leitura. No ano em que a Campanha da Fraternidade nos remete para a importância da educação,  (Fraternidade e Educação: Fala com sabedoria, ensina com amor – Pr 31,26) Lucimara se lembra que sua proximidade com os livros  teve a influência de um professor. Ainda adolescente, aluna no Colégio Jesus Maria e José, em Poços de Caldas, foi apresentada a muitos autores pelo padre Celso, professor de português e literatura que não perdia a oportunidade de ensinar. “Ele sempre começava suas leituras contando para nós, com entusiasmo, uma história interessante sobre a vida do autor, e naquele momento já conseguia ter a nossa atenção e interesse”, recorda. O hábito do professor de fazer com que os alunos saboreassem poesias e literatura em capítulos, fazia com que suas aulas fossem aguardadas. Desde então, a curiosidade e o gosto pela leitura se tornaram um hábito.

Além dos livros de teologia e de espiritualidade,  Lucimara gosta de literatura e poesia. Em “horinhas de descanso”,  percorre sites confiáveis onde acaba descobrindo talentos, como a poetisa paulista Mariana Ianelli, que ela lê atualmente.  Lucimara recorda que sua proximidade com a poesia foi também incentivada pelo padre jesuíta Upiano Vásquez Moro, que dizia: “É preciso ler também algo que nos tire daquilo que estamos acostumados.” A poesia é uma boa medida para esse equilíbrio.

O livro que Lucimara nos apresenta  inspira duas palavras: vigor e leveza. “Rezar de olhos abertos”, escrito por dom José Tolentino Mendonça foi editado no final de 2020. É um livro recheado de poesia, que traz em cada página uma oração. Assim, não precisa ser lido em ordem cronológica. “É um ótimo livro de cabeceira”, recomenda.   Em uma linguagem simples e direta o autor fala com Deus, se conectando com o cotidiano, reza a vida a partir de tudo o que ela é: o dia que fica mais claro com o verão pode ser o ponto de partida para nos dizer que a vida é uma oração. A publicação traz mais de 150 textos curtos que contemplam as estações do ano, o tempo litúrgico, os dias da semana, a vida comum: “Com tudo o que ela tem, as perdas, o amor, a imperfeição, as coisas leves e bonitas do cotidiano”, diz Lucimara.  “Esse é um livro que nos refaz, nos leva a respirar a vida de uma outra maneira, nos faz recuperar a força que a pressa do dia a dia, às vezes não nos permite conservar.” Com esta bela indicação, podemos dizer que o livro de dom José Tolentino Mendonça pode ser adquirido pelos leitores brasileiros por meio das  plataformas digitais.