Você está em:

Pastoral da Juventude mapeia mais de 9 mil grupos de jovens em 158 dioceses do Brasil

Fotos: Pastoral da Juventude

Olhar para a realidade dos regionais e dioceses foi uma das ações realizadas pelos delegados da Amplida Nacional da Pastoral Juventude, reunidos  de 19 a 26 e janeiro, no Recanto Marista, em Ribeirão das Neves, Região Metropolitana de Belo Horizonte. A partir de trabalho em grupo, e apresentação de resultados de sondagem realizada no ano passado, os participantes da Ampliada finalizaram o bloco VER. Trata-se da primeira etapa da metologia “VER-Julgar-Agir” utilizada para a avaliação da caminhada da PJ nos últimos três anos e elaboração de diretrizes para o próximo triênio.

Divididos em seus regionais, jovens e assessores tiveram a tarefa de apontar, em um mapa, a atual situação da realidade da PJ em sua localidade. Destacaram, por dioceses, a existência ou não de grupos de PJ, coordenação diocesana, assessoria diocesana ou dioceses onde não se tem contato. Após um olhar coletivo para o mapa dos regionais, Padre Toninho, assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude, apresentou seu olhar sobre a realidade a partir de visita aos regionais.

No momento seguinte foi apresentado aos delegados um recorte do resultado da sondagem realizada aos regionais e dioceses em preparação à Ampliada. No segundo semestre de 2013 foram aplicados dois instrumentos para se fazer um diagnóstico da realidade da PJ e contribuir com as discussões da ANPJ. Segundo Joaquim Alberto, membro da Comissão Nacional de Assessores, todos os 18 regionais da CNBB responderam à sondagem. Ele lembrou que apenas o regional Oeste 1, por estar em processo de articulação, respondeu parcialmente. Quanto às dioceses, das 262 existentes 158 responderam à sondagem.

Como resultado da pesquisa, foram mapeados 9183 grupos de jovens de PJ, em 2675 paróquias. A sondagem também identificou que dessas paróquias, 1765 têm coordenação de PJ, mas 1641 não tem assessoria e acompanhamento.

 



Mapeamento aponta realidade da PJ nos Regionais e Dioceses

 

Para além do número de grupos, a sondagem, também identificou os desafios e avanços dos Regionais e Dioceses.

Entre os dados coletados, foi identificada a existência de coordenação (arqui) diocesana em 145 e a ausência em outras 18, das 158 que responderam os questionários.

Desafios das dioceses:
•    Sustentabilidade financeira
•    Visitas às dioceses do Regional
•    Efetivação dos Projetos Nacionais
•    Clareza dos papéis de coordenadores e assessores
•    Manter a formação das dioceses
•    Diálogo com o Setor Juventude
•    Apoio das dioceses

Desafios dos regionais:
•    Assessoria e acompanhamento às dioceses – extensão territorial, acesso e quantidade de dioceses
•    Sustentabilidade – conseguir projetos financeiros
•    Formação de lideranças
•    Fazer com que os jovens conheçam e assumam a identidade da PJ
•    Clareza dos papéis e comprometimento da Coordenação e da Assessoria Regionais
•    Ausência de assessores regionais
•    Continuidade dos processos nos Regionais e Dioceses
•    Diálogo com padres responsáveis pela juventude nas dioceses
•    Falta de reuniões sistemáticas da coordenação ampliada do Regional

Avanços das dioceses:
•    Criação de novos grupos de base
•    Fortalecimento da identidade: Somos Igreja Jovem
•    Formação de lideranças jovens e assessores
•    Rede de assessores
•    Inserção e participação sociopolítica dos jovens
•    Projeto financeiro
•    Presença nos Conselhos Municipais e Estaduais de Juventude

Avanços dos regionais:
•    Articulação das dioceses e províncias
•    Unidade entre dioceses
•    Visita da Coordenação e Assessoria Regionais na maioria das dioceses
•    Conhecimento da realidade das dioceses
•    Envolvimento das dioceses na construção da ARPJ
•    Harmonia na CRPJ
•    Acompanhamento e atividades de formação nas dioceses e prelazias
•    Plano Trienal

 

Jovens fazem o resgate histórico de suas caminhdas

 

Fotos: Pastoral da Juventude

Assessores participam, com os jovens, do processo de resgate histórico de suas caminhas na PJ

Resgate da história, partilha de vida e olhar para a realidade são marcas do segundo dia da Ampliada Nacional da Pastoral da Juventude. Realizada em Ribeirão das Neves/MG até o próximo domingo, a reunião dos jovens e assessores da PJ é um espaço de avaliação e deliberação das ações e caminhada da pastoral.

No contexto da celebração dos 40 anos da Pastoral da Juventude e de avaliação do caminho feito, o momento da manhã de terça-feira na ANPJ foi espaço para ver os passos dados na evangelização da juventude. Entre histórias, sorrisos e lágrimas, as quatro décadas da Pastoral da Juventude foram contadas por Hilário Dick, padre jesuíta, Ângela Falqueto, religiosa Salesiana – ambos ex-assessores do Setor Juventude da CNBB, 1981-1983 e 2003-2006, respectivamente – e Lourival Rodrigues, assessor do Cajueiro – Centro de Formação, Assessoria e Pesquisa em Juventude.

 “A história não são datas. Entra na história. Eu estou nessa história”, afirmou Dick emocionado. Em sua partilha, Hilário disse que um dos desafios da PJ não é a auto-referência, mas a autonomia e o protagonismo negados a ela. O Padre Jesuíta, que há mais de 40 anos acompanha e assessora grupos de jovens, é considerado história viva da Pastoral e muito estimado pelos jovens. “Hilário nós amamos você” – falou Janaína Sales, Coordenadora Nacional da PJ pelo Regional Nordeste 2, ao final da fala do Padre.

Ângela Falqueto fez memória de sua caminhada pastoral e vocacional para falar da história da Pastoral da Juventude. “Eu sou uma mulher abençoada, sou da época de Puebla. Sou dos grupos ainda antes de Puebla”, lembrou Ângela. A religiosa que hoje atua como missionária no Amazonas, afirmou que foi a partir da sua experiência de grupo de jovens que nasceu sua vocação religiosa e que é por causa da PJ que decidiu dedicar sua vida à evangelização da juventude. “Foi no grupo de jovens que decidi seguir Jesus Cristo. Eu assumi o trabalho com a juventude porque fiz uma opção e coloquei no meu projeto de vida”, enfatizou Ângela.

Resgatando a metodologia de trabalho da Pastoral da Juventude, Lourival Rodrigues afirmou em sua partilha que o modelo VER-JULGAR-AGIR, herdado pela PJ, é uma maneira que a pastoral encontrou para intervir no mundo. “É o seguimento a Jesus que nos impulsiona a intervir e mudar a realidade. Não podemos ficar alheios”, disse o assessor que entre lembranças, cartazes e canções passeou pela história.

 

FONTE: Secretaria Nacional da PJ