Você está em:

Paróquias apoiam ações da Pastoral da Sobriedade


Paróquias investem em palestras e oficinas nas escolas, no trabalho de prevenção às drogas

 


Comunidades de fé e paróquias da Arquidiocese de BH participam de importante iniciativa de apoio à Pastoral da Sobriedade. Voluntários atuam entre os mais jovens propondo a reflexão sobre temas como amor, amizade e família. O trabalho é feito especialmente nas escolas, com o objetivo de manter crianças e adolescentes longe das drogas.

Por meio das reflexões que visam ao resgate das reações humanas e da “Terapia do Amor”, os voluntários da Pastoral da Sobriedade apoiam, também, pessoas com dependências e suas famílias. São realizados, por ano, em torno de  600 atendimentos diretos a dependentes e 1200 indiretos aos familiares, segundo dados da Pastoral. Junto com outras pastorais e com organismos sociais e políticos, são desenvolvidas ações de recuperação, reinserção social e familiar e, principalmente, de prevenção a dependências.

 

As pessoas se reúnem em comunhão e assumem valores, favorecendo todos os aspectos da vida
Assim, torna-se possível resgatar o que foi perdido e trabalhar a qualidade das relações

A coordenadora do projeto de prevenção da Arquidiocese de BH, Irmã Ivelina Tavares, explica  que essas ações são transformadoras, a partir do momento em que as pessoas se reúnem em comunhão e assumem valores, favorecendo todos os aspectos da vida. “Assim, torna-se possível resgatar o que foi perdido e trabalhar a qualidade das relações”.

 

O trabalho estende-se  a todos os que não sabem como lidar com familiares dependentes ou que sentem a necessidade de apoio para deixar as drogas. “Essas pessoas podem buscar ajuda da Pastoral da Sobriedade nas paróquias, para todos os tipos de dependência, como por exemplo, a química, de consumo, de jogo,  de alimentos e outras mais”, afirma Irmã Ivelina, que representa a Arquidiocese de BH no Conselho Municipal de Política sobre Drogas, como membro da Comissão de Prevenção na Escola Integrada, que visa promover uma cultura de paz nas escolas.

 

Como resultado da 8° Semana Estadual de Prevenção ao Uso e Abuso de Álcool e outras Drogas, em Minas Gerais, ação que acontece em todo o país, desde 2006, a Pastoral da Sobriedade apresenta iniciativas de algumas paróquias  na Arquidiocese de Belo Horizonte.

 

Paróquia Coração Eucarístico de Jesus

 

No bairro Coração Eucarístico, em Belo Horizonte, voluntários da Paróquia Coração Eucarístico de Jesus desenvolvem atividades de prevenção com crianças e adolescentes, entre seis e 12 anos, da escola estadual da Vila São Vicente, situada no território da Paróquia. Maria Delza Magaldi, de 71 anos, está à frente deste trabalho desde 2005 e conta com o apoio de toda a comunidade e do pároco, Monsenhor Eder Amantéa. “A escola está em uma área de risco social, com grande presença do tráfico de drogas. Procuramos a escola para que, por meio dela, pudéssemos nos aproximar de toda a comunidade”.

 

O grupo de prevenção, composto por cinco agentes, visita as salas de aula trabalhando valores éticos, cidadania e religiosidade. “É um desafio, pois as crianças precisam ser estimuladas, possuem carências. Mas hoje nossa aceitação é muito maior e temos visto que somos referência para elas, o que se reflete nas relações familiares e no menor índice de violência na Vila”, disse dona Maria Delza.

 

Pelas crianças, chegamos também aos pais. Os temas que trabalhamos, como amizade, amor, família,  fazem com que haja melhora nas relações

As temáticas apresentadas pelo grupo ganham continuidade com ações dos professores. Além disso, existe diálogo franco e próximo entre eles e os agentes, com reuniões e aconselhamentos fora da sala de aula. O aposentado Diogo, agente da Pastoral, também é voluntário do projeto Amigos da Escola e frequenta o ambiente escolar diariamente. Assim, ele conhece a realidade de cada família e se torna importante ponte entre as crianças, a escola e a Pastoral.

 

Maria Delza se sente emocionada ao falar do trabalho do grupo: “sentimos que, pelas crianças, chegamos também aos pais. Os temas que propomos, como amizade, relacionamento, amor, identidade, família, respeito, fazem com que exista melhora nas relações. É muito gostoso e gratificante ver que até mesmo os professores fazem questão de nossa colaboração”.

 

Paróquia Jesus Operário

 

Em Contagem, a Comunidade São Luiz Gonzaga, da Paróquia Jesus Operário, conta com a presença amorosa de Petrolina Moreira Costa, de 68 anos. A voluntária trabalha há um ano com crianças e adolescentes, promovendo encontros de prevenção, palestras e atividades culturais. “Convivo com a comunidade e conheço a realidade das famílias. Sendo assim, convidei jovens que encontrei nas ruas e também visitei casas para fazer o pedido aos pais” contou Petrolina.

 

São em torno de dez crianças e adolescentes que participam dos encontros, sendo que cinco delas são da mesma família, com idades entre nove e 17 anos. “Estas crianças vivem em área de risco social e precisam de apoio. É uma alegria poder estar com eles, conversar, trazer informações, e ver que eles estão mais comunicativos, interessados e participativos nos assuntos da comunidade” afirma dona Petrolina.  Ela observa que não se trata apenas do trabalho de prevenção, mas de uma ação social mais ampla. “Morrem muitos jovens por aqui e isso me preocupou muito. Sei que não consigo a participação de todos, mas só de ajudar no desenvolvimento saudável de um destes jovens, já me sinto muito feliz”.

 

Além dos jovens, os agentes da pastoral buscam, também, atrair novos voluntários, para atender à crescente necessidade das famílias e comunidades. Pessoas interessadas em ministrar oficinas culturais, palestras formativas e outros cursos, podem procurar a Paróquia Jesus Operário e se informar sobre o grupo de prevenção.

 

Paróquia Santa Clara e São Francisco

 

No bairro Independência, em Belo Horizonte, senhoras da Paróquia Santa Clara e São Francisco estão estruturando uma associação que dará suporte a jovens e gestantes em uma iniciativa de prevenção por meio do artesanato.

 

A senhora Terezinha Gaspar, que participa das atividades da paróquia há 40 anos, disse que será constituída uma cooperativa, para que possam ser produzidos trabalhos de costura, fuxico e crochê, que proporcionarão geração de renda, inserção social e acompanhamento familiar.

 

Paróquia Nossa Senhora Aparecida

 

A Paróquia Nossa Senhora Aparecida, no alto Vera Cruz,  também possui um grupo de ajuda da Pastoral da Sobriedade. Irmã Ivelina diz que a comunidade sofre com sérios problemas de violência e tráfico de drogas, e  que a Pastoral conta com o apoio, principalmente, da Escola Municipal Israel Pinheiro para desenvolver as  ações destinadas a favorecer um ambiente de paz na própria escola e diminuir a violência por meio da prevenção com as crianças .

 

Também são realizados, no bairro, encontros do Projeto Café com Prosa, do Vicariato Episcopal para a Ação Social e Política da Arquidiocese de Belo Horizonte. A partir das reuniões do Café com Prosa, a própria comunidade ajuda a encontrar soluções de transformação social, mediante a construção de redes de potencialidade local. Outra nova iniciativa, que deve começar em breve, é a realização de cursos de qualificação profissional para jovens, visando à prevenção e a inserção social.


A espiritualidade é um aspecto importante no  resgate das relações humanas

 


Oficinas  contribuem para o sentimento de comunhão entre crianças e adolescentes