Você está em:

Papa pede fim da intolerância religiosa

Diplomatas de países com embaixadas na Santa Sé ouviram do Papa Bento XVI, em reunião ocorrida na última segunda-feira, um pedido: o fim da intolerância religiosa. O Papa disse que a religião não pode ser considerada um problema da sociedade atual e que a Igreja não busca privilégios, “mas simplesmente exercer sua missão com liberdade”. Bento XVI desejou aos embaixadores um bom ano e fez uma análise sobre diversos países do mundo, destacando a situação do direito à liberdade religiosa e da vivência da fé nesses lugares.

Bento XVI disse que a verdade, o bem, a felicidade, a vida em plenitude que cada homem busca, consciente ou inconscientemente, são concedidos por Deus. “A dimensão religiosa é uma característica inegável e irrefreável do ser e do agir do homem, a medida da realização do seu destino e da construção da comunidade a que pertence”, disse.

Para o Papa, liberdade religiosa significa “garantir que as comunidades religiosas possam agir livremente na sociedade, com iniciativas nos setores social, caritativo ou educativo. Pode-se constatar por todo o lado, no mundo, a fecundidade das obras da Igreja Católica nestes âmbitos”, indicou o Pontífice.