Você está em:

Papa Francisco nomeia bispo auxiliar para a Arquidiocese de Belo Horizonte

O Papa Francisco nomeou o monsenhor Edson José Oriolo dos Santos, que integra o clero da Arquidiocese de Pouso Alegre, como bispo auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte. O anúncio da nomeação ocorreu nesta quarta-feira, 15 de abril, e foi recebido com alegria pelo arcebispo dom Walmor. “Agradecemos ao Santo Padre, que envia  o monsenhor Edson José Oriolo dos Santos para ser servidor de nossa amada Arquidiocese de Belo Horizonte. Vamos, juntos, testemunhando o Evangelho da Vida, empenhados na missão de cultivar a fé em Cristo Rei, nosso Senhor”.

A ordenação episcopal do monsenhor Edson será no dia 11 de julho, sábado, na Catedral Metropolitana de Pouso Alegre.

Mensagem de Dom Walmor
Amados e amadas de Deus,
Saúde e paz

Partilho com todos uma importante e alegre notícia. O Papa Francisco nomeou nesta quarta-feira, 15 de abril, o monsenhor Edson José Oriolo dos Santos, que integra o clero da Arquidiocese de Pouso Alegre, como bispo auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte.

Agradecemos ao Santo Padre, que envia mais este irmão bispo auxiliar para ser servidor de nossa amada Arquidiocese de Belo Horizonte. Vamos, juntos, testemunhando o Evangelho da Vida, empenhados na missão de cultivar a fé em Cristo Rei, nosso Senhor.

Minha especial saudação ao irmão monsenhor Edson José Oriolo dos Santos. Peço a Maria, a Senhora da Piedade, que interceda por seu ministério e ilumine seus passos nessa missão na nossa Igreja de Belo Horizonte.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte

 

Mensagem do monsenhor Edson Oriolo

 

Saudação

No dia 16 de março, envolvido com a inesperada doença do Mons. Vicente Gomes, meu Cirineu, fui surpreendido por um telefonema do Mons. Piergiorgio Bertoldi convocando-me para ir à Nunciatura Apostólica. Não houve tempo para refletir sobre o chamado inusitado, pois outro telefonema informava que Mons. Vicente, que já estava na UTI, acabava de ter uma parada cardiorrespiratória, encontrando-se em estado grave. Na quarta-feira, dia 18, ainda sob o forte efeito do passamento do querido amigo e colaborador, recebo outro telefonema da Nunciatura.

Na sexta-feira, dia 20, estando num curso em São Paulo, resolvi ir à Brasília. Na sede da Nunciatura Apostólica, fui recebido pelo Mons. Bertoldi que disse-me: “Pe. Edson, o Núncio Apostólico no momento encontra-se fora do País”. Em seguida, entregou uma carta endereçada a mim. “Leia e eu volto daqui a pouco”. Na carta soube que o Santo Padre o Papa Francisco havia me nomeado Bispo Titular de Segia e Auxiliar do Excelentíssimo Sr. Arcebispo de Belo Horizonte.

Por um momento, refletindo sozinho, fiquei totalmente estático. O silêncio foi interrompido pela chegada do Mons. Bertoldi. Nada falei, fiquei apenas ouvindo-o dizer como tudo se tinha encaminhado. O Papa havia me nomeado e aguardava minha resposta. Sua Santidade o Papa Francisco esperava o meu sim para ser Bispo Auxiliar de Belo Horizonte, enfatizou o Mons. Encarregado de Negócios a.i. Entre uma e outra conversa, perguntou-me o porquê do medo. Consciente do que significava aquele momento pedi alguns dias para rezar, pensar e responder.
 

Voltando para São Paulo e depois para Pouso Alegre, dispus-me amadurecer essa ideia, em oração. Fiz uma avaliação da minha caminhada humana e sacerdotal. Conscientizei-me, uma vez mais, do alcance dos meus limites e de quais foram as aspirações que nortearam minha formação e meu sacerdócio. Refleti quais seriam as razões deste chamado. Tocou-me profundamente a convicção de que sou apenas instrumento da graça de Deus. Percebi com clareza a ação constante da Misericórdia Divina na minha história de discípulo.
 

No dia 25 de março, festa da Anunciação a Nossa Senhora, assenti à nomeação. Aceitei o chamado da Igreja, na obediência, amparado na confiança de que a Misericórdia de Deus está comigo e sempre estará. Na segunda-feira santa, dia 30 de março, S. Exa. Dom Walmor Oliveira de Azevedo, telefonou-me manifestando sua alegria por ter aceito fazer parte da família arquidiocesana de Belo Horizonte. Percebi a grande consolação de Deus, na acolhida expressa nas palavras de pai, irmão e amigo de meu arcebispo Dom Walmor.

 

Neste momento importante da minha vida, desejo reconhecer a insondável ação da Misericórdia de Deus. Só me é possível compreender esse chamado para o episcopado como proveniente do “alto”. A comoção invade o meu coração ao verificar de quantas formas o Senhor vem demonstrando a sua misericordiosa bondade para comigo. Agradeço, filialmente, ao Santo Padre, o Papa Francisco, pela confiança em mim depositada, renovando-lhe o desejo de viver na obediência e plena comunhão. Expresso, também, o meu agradecimento ao senhor Arcebispo Metropolitano, Dom Walmor, por aceitar-me em sua família arquidiocesana, bem como aos demais senhores bispos auxiliares e eméritos.
 

Recomendo a Deus todas as pessoas, vivas (José Eugenio meu pai, Flavio e Claudia irmãos, sobrinhos, familiares e amigos) e falecidas (Alzira Oriolo minha mãe, Mons. Pedro Cintra e Mons. Vicente Gomes), bem como os arcebispos, irmãos sacerdotes, leigos e leigas com os quais compartilhei a vida ministerial na arquidiocese de Pouso Alegre. Todos, sem exceção, foram instrumentos da graça e do amor de Deus em minha vida.

 

Envio o meu abraço fraterno ao povo de Deus que está na Igreja Arquidiocesana de Belo Horizonte, espalhado por tantas paróquias, comunidades, grupos, pastorais e movimentos. Desejo saudar cada bispo, sacerdote, religioso, religiosa, seminarista, leigo e leiga que dedica a vida no anúncio do Evangelho, cumprindo o sublime mandato de Cristo. Saibam que vou para junto de vocês no desejo de servir e de construir comunhão, dedicando todas as minhas energias na ação pastoral, auxiliando o nosso pastor Dom Walmor.
 

Estou vivenciando o meu reconhecimento a Deus pelo dom da vocação. As alegrias do jubileu de meu ministério sacerdotal (25 anos, no próximo dia 5 de maio), totalmente dedicado à Arquidiocese de Pouso Alegre que amo, são agora intensificadas na plenitude do sacerdócio para a qual sou chamado. Desejo continuar servindo a Igreja de Cristo, consciente de minhas limitações e do quanto é necessário esperar da graça e da misericórdia. Convido a todos para partilharem comigo a alegria da ordenação episcopal no dia 11 de julho próximo, às 15h, na Catedral Metropolitana de Pouso Alegre-MG.
 

Que Deus me capacite para viver a missão de “Pastor” e de “Sumo Sacerdote”. No exercício do meu ministério episcopal quero fazer-me um dom para todos, segundo a “mansidão” e “a pureza de coração” do Bom Pastor, que veio para servir e não para ser servido. Peço que rezem por mim, estejam comigo na oração, para que eu saiba acolher, caminhar e edificar, para que eu possa “anunciar as riquezas da misericórdia”.
 

Consagro-me a Maria, Senhora das Graças, suplicando a proteção materna para que eu corresponda ao grande amor que Deus nos tem demonstrado.

 

Mons. Edson Oriolo
 


Trajetória acadêmica e pastoral

Filho de José Eugênio dos Santos e Alzira Oriolo dos Santos, o monsenhor Edson José Oriolo dos Santos nasceu em Itajubá (MG), no dia 18 de setembro de 1964. Foi ordenado sacerdote na Matriz de São José Operário de Itajubá (MG), cidade que integra a Arquidiocese de Pouso Alegre, no dia 5 de maio de 1990.

Cursou o Ensino Médio e Filosofia no Seminário Nossa Senhora Auxiliadora de Pouso Alegre (MG). Graduou-se em  Teologia no Instituto Teológico Sagrado Coração de Jesus, em Taubaté (SP). É mestre em Filosofia Social pela PUC Campinas, especialista em Aristóteles, pela Unicamp e Marketing, pela Universidade Gama Filho. Também é pós-graduado em Gestão de Pessoas, pela Universidade Gama Filho.

O monsenhor Edson José Oriolo trabalhou no Seminário Arquidiocesano de Pouso Alegre como coordenador dos Estudos de Filosofia em 1990. De 1991 a 1996, foi Vigário Paroquial na Paróquia São Francisco de Paula em Ouro Fino (MG).  De 1997 a 2006, foi pároco na Matriz de Nossa Senhora do Carmo em Borda da Mata (MG), e, desde 2007, é cura da Catedral Metropolitana de Pouso Alegre (MG). Foi professor de várias disciplinas no Seminário da Arquidiocese de Pouso Alegre relacionadas à Filosofia, de 1990 a 2007, e vigário episcopal para o Sacramento da Confirmação, de 2007 a 2014. É promotor de Justiça do Tribunal Eclesiástico da Arquidiocese, professor no Instituto Teológico São Tomás de Aquino e Instituto Filosófico Aristotélico Tomista dos Arautos do Evangelho em Caieiras (SP). Escreve artigos em várias Revistas e Periódicos no Brasil sobre Filosofia, Teologia e Gestão Eclesial.