Você está em:

Os caminhos para uma catequese eficaz

 
 
O Diretório Nacional de Catequese oferece como fonte da ca­tequese a “Palavra de Deus”. Essa Palavra é compreendida e vivida pelo senso de fé do Povo de Deus, é celebrada na liturgia, brilha na vida, no testemunho e na caridade dos cristãos.  
 
 
Os instrumentos de interação que orientam a vida de fé do cristão são a Bíblia, a liturgia e o Catecismo. Para fazer com que eles fecundem a catequese e crie a interação entre fé e vida, há a exigência de formação para os catequistas.
 
 
O catequista precisa conhecer os vários métodos e seus princípios metodológicos para a boa comunicação dos conteúdos catequéticos. O método da catequese é fundamentalmente o caminho do seguimento de Jesus. O princípio metodológico da interação entre fé e vida estebelece um relacionamento mútuo e eficaz entre a experiência de vida e a formulação da fé; entre a vivência atual e o dado da tradição. Como trabalhar com este princípio metodológico?
 
 
“O importante é ter objetivo claro, ser fiel ao anúncio, conhecer os catequizandos e fazer a mensagem chegar ao coração de cada um” 
Partindo da pedagogia catequética e abstraindo dela o modo de proceder de Deus, de Jesus e da Igreja, o processo metodoló­gico oferece propostas que nos ajudam a construir o itinerário da iniciação cristã. 
 
Propostas metodológicas para refletir 
 
Em um texto proposto por dom Juventino Kestering, bispo de Rondonópolis (MT), na Revista de Catequese, ele cita as propostas mais acentuadas: 
 
• A utilização do método indutivo ou ascendente se dá a partir da realidade dos catequizandos. Leva-os a descobrir o sentido da vida, do projeto de Deus, da criação, da encarnação, morte e ressurreição de Jesus. O ponto de partida é o catequizando, sua realidade e situação. O que você acha desse ponto de partida?
 
• A segunda proposta refere-se ao método dedutivo. O ponto de partida é o querigma, ou seja, o anúncio de Jesus Cristo. Preparar encontros que levem os catequizandos a se apaixonarem por Jesus Cristo, a se encantarem com suas atitudes, que ajudem a resgatar a dignidade das pessoas e a construir uma sociedade segundo os valores do Evangelho. O que você acha dessa posição? Qual a sua experiência com esse itinerário?
 
• Uma terceira proposta metodológica é a conversão radical e intimista. Esta proposta, de certa forma, está em ascensão especialmente nos meios com predominância carismática. Esses encontros produzem experiências profundas, testemunhos e relatos de conversões. O que você acha dessa proposta? Qual é a sua experiência?
 
Uma boa pedagogia catequética 
 
Na verdade estas propostas não acontecem separadas, mas interagidas. Cada uma tem valor e limites. O importante é ter objetivo claro, ser fiel ao anúncio, co­nhecer os catequizandos e fazer a mensagem chegar ao coração de cada um. O Evangelho, como itinerário, está cheio de atitudes: o toque, o escutar, o olhar e ou­tros. Fazer tudo isso acontecer é só por meio de estudos, formação e trocas de experiências entre os catequistas. É preciso coragem! 
 
 
A catequese não é somente método, tampouco é somente conteúdo. Não se identifica exclusivamente com a Bíblia e nem só com a tradição, ou com o magistério. É a pedagogia necessária para que a mensagem da Revelação, transmitida pela tradição da Igreja, chegue ao catequizando e seja para ele fonte de salvação.
Para cumprir sua missão com a eficiência necessária, o cate­quista precisa estar bem preparado, buscando sempre o aperfeiçoamento. A Comissão Arquidiocesana de Catequese se coloca à disposição para a formação atendendo através das regiões episcopais. 
 
 
Cada região tem suas escolas catequéticas com formações programadas por semestre, ou anual, com temas bem definidos se­gundo a realidade de cada local. Para obter mais informações entre em contato pelo e-mail souza.z@terra.com.br.
 
 
Neuza Silveira de Souza
Comissão Arquidiocesana de Catequese – BH