Você está em:

Mãos, arte e mistério

 

Nossas mãos!

Elas são simplesmente misteriosas, delicadas, cheias de arte, mistério e esplendor!
Elas são tão criativas e engenhosas que logo percebemos sua natureza quase divina, além de majestosas, necessárias, sublimes.

Há mãos dóceis e sensíveis, fortes e expressivas, ternas e serenas, calejadas e sofridas!
 
Quase todas as artes passam por elas e com elas são exercidas!
A arte de plantar, colher, se alimentar, criar, pintar, esculpir, compor, escrever, cuidar, cozinhar, ler, medicar, lavar, passar, tecer, costurar, dirigir, indicar, socorrer, educar, servir!
 
Praticamente todos os sentimentos, gestos e expressões encontram nas mãos uma singular e eficiente cooperação!

Sim, o famoso aperto de mão como cumprimento inicial; o adeus na partida; os mais variados carinhos traduzidos nos seus toques suaves e sensíveis; o rezar com elas entrelaçadas; o tocar na cabeça como sinal de dúvida; cerradas ou abertas numa comemoração esportiva; postas sobre a mesa de trabalho; dentro do bolso; estendidas apontando para o céu pedindo proteção… Elas são imprescindíveis e de especial delicadeza no exercício da afetividade.

 

A mão de Jesus, que salvou Pedro em alto mar , permanece estendida para nos levantar e nos conduzir em cada dia, todos os dias

Os casais enamorados e apaixonados estão sempre de mãos dadas!
Assim eles entram na igreja, colocam a aliança do compromisso definitivo num dos seus dedos, ficam durante toda a cerimônia religiosa e permanecem na festa que se segue. Não é de se estranhar que, ao mesmo tempo, é também um dos primeiros sinais de afastamento de um casal quando passam a andar sem as mãos dadas.
 
Sem as mãos, o que seria das mais variadas modalidades esportivas?
Vôlei, basquete, remo, automobilismo, boxe, judô, iatismo, ginástica, ciclismo, escaladas, hipismo, peteca, tênis de quadra e de mesa, tiro, xadrez…Mesmo no futebol, onde os pés são absolutos, elas não podiam faltar para o bom desempenho do goleiro; e também para a cobrança do lateral.

É singular o carinho com o qual elas envolvem a bola para o pênalti, a extrema delicadeza aplicada na hora de colocá-la na marca branca, e a explosão que elas encerram se convertido ou perdido – neste último caso, são logo levadas à cabeça!
 
No famoso afresco de Michelangelo na Capela Sistina, retratando a criação do homem, é cândido e expressivo o toque da mão de Deus que, com um dos seus dedos, toca no dedo e na mão do homem (Adão), fazendo-o ganhar a existência.
 
E como Jesus usou as mãos! Como Ele tocou a tudo e  todos! Tocou nas crianças, na multidão, em muitos cegos, coxos, doentes, inclusive um leproso – gesto impensado, em razão de a lepra ser uma doença contagiosa.

Na última ceia Ele tomou em suas mãos o pão e o cálice com vinho e os transformou em seu corpo e no seu sangue, ficando assim Ele mesmo como nosso alimento para nos sustentar nas estradas da vida e do nosso caminhar!

 

Quando todos os recursos falham, contamos com apenas dois: Deus, que nos segura pela mão, e a oração lançada aos
céus com nossas
mãos estendidas

E ainda pediu que se fizesse isto em sua memória.
Sim, através das mãos dos sacerdotes, estendidas sobre o pão e o vinho, continuamos recebendo em cada Santa Missa o Corpo e o Sangue do Senhor!

 

Ainda das mãos sacerdotais recebemos as bênçãos, o batismo, a hóstia consagrada, a confirmação, a bênção nupcial no matrimônio, a unção dos enfermos para a cura e/ou o grande encontro.
 
Guarde esta sabedoria para a sua vida – não tenha as mãos cheias ou com muitas coisas, sobretudo com o que é supérfluo, desnecessário, pouco comunicativo!

Sim, há pessoas que estão com elas tão cheias de coisas – ou esperando tantas coisas – que Deus não encontra espaço para cumulá-las de plenitude e preenchê-las com seus dons!
 
Melhor cair nas mãos do Senhor, do que nas dos homens (2Sm 24,14).
A mão de Jesus, que salvou Pedro em alto mar (Mt 14,30-31), permanece estendida para nos levantar e nos conduzir em cada dia, todos os dias!
 
Quando todos os recursos falham, contamos com apenas dois: Deus, que nos segura pela mão, e a oração lançada aos céus com nossas mãos estendidas.
Segure na mão de Deus, e siga tranqüilo no caminhar dos seus dias!

 

Dom Abade Felipe da Silva
Mosteiro de São Bento, Rio de Janeiro (RJ)