Você está em:

Liturgia: santificação do humano e culto a Deus

reproduçãoA Constituição Sacrosanctum Concilium (SC), sobre a Liturgia, do Concílio Vaticano II, aborda a natureza da liturgia e sua função na vida da Igreja. Nesse intento, foge de conceitos técnicos e abstratos para definí-la e a evidencia como momento histórico em que a “obra de nossa redenção se realiza”.

Deus, por sua imensa bondade, quer que todo o gênero humano se aproxime dele para o conhecimento do mistério da sua vontade e participação na comunhão da sua vida. A comunhão, oferecida por Deus, foi, por muitas vezes, rejeitada pelo ser humano. Mas, com o desejo de que todos retornassem a Ele, sempre esteve em comunicação com suas criaturas desde o início, exortando os Pais da fé, pela ação dos profetas ( Hb1,1).
O Cristo,  obra de Cláudio Pastro,  e  Cristo Crucificado.
Capela Mor da Igreja Nossa Senhora da Boa Saúde (RN)

Para realizar a perfeita reconciliação, nesses últimos tempos, quis morar no meio do seu povo, penetrou a história enviando seu Verbo para que se fizesse carne no meio dos homens e mulheres. Morando com eles, mostrou como é que se ama. Esse amor realizou a perfeita reaproximação das criaturas com seu Criador. Jesus Cristo, pelo Mistério Pascal de sua vida, paixão, morte, ressurreição, ascensão e envio do Espírito Santo em Pentecostes, atraiu tudo e todos a Deus para participarem da plenitude da vida divina.  

Vivendo nesse tempo escatológico, esperamos a vinda de Nosso Senhor. Esse tempo é o tempo da Igreja, ela que é sacramento de Cristo, sustentada pelo Espírito Santo, para continuar no mundo a missão de seu Esposo: a obra da salvação. Por ela, o modo de ser e agir de Cristo deve alcançar a todos. Como foi enviado pelo Pai, Cristo envia a Igreja, no Espírito, para anunciar às criaturas as maravilhas que realizou por sua morte e ressurreição.

 

“Jesus Cristo, pelo Mistério Pascal de sua vida, atraiu tudo e todos a Deus para participarem da plenitude da vida divina”

A salvação oferecida pelo Mistério Pascal de Jesus, anunciada pela Igreja ao longo dos séculos, realiza-se por meio da liturgia, do sacrifício e dos sacramentos celebrados pela comunidade de fé (SC 6).

A Liturgia é, nesse sentido, o exercício do sacerdócio de Cristo. O Mistério Pascal de Jesus Cristo é o centro de toda a liturgia, uma vez que este mesmo Mistério é o cume da Revelação de Deus para a salvação de todos. Na liturgia, por meio de sinais sensíveis, realiza-se a santificação dos seres humanos. Ainda, oir meio dela, o corpo místico de Cristo, que é a Igreja, e sua cabeça, o próprio Cristo, prestam culto público a Deus. No Espírito, toda a santificação realizada por Deus em favor do ser humano e todo culto que a Igreja presta ao Pai se dá na pessoa de Cristo e através dele.

A liturgia, que é a santificação do ser humano e o culto a Deus, realizados por meio de sinais sensíveis, torna-se incompreensível se não for associada ao Mistério da Igreja. Assim, também a Igreja não pode ser compreendida se não estiver associada a Cristo, que é sua Cabeça. Consequentemente, a vida de Jesus se tornaria vazia de sentido se ela não fosse dedicada ao cumprimento da obra da salvação das criaturas, querida por Deus desde sempre e para sempre.

 

Tânia Mayer
Mestranda em Teologia pela
Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia