Você está em:

Fórum Social Arquidiocesano: Dom Mol fala sobre Reforma Política Democrática

Centenas de pessoas se reuniram no Salão da Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem para participar do Fórum Social Arquidiocesano, que teve como tema “Reforma Política Democrática e Eleições Limpas”.

Dom Joaquim Mol, bispo auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte e presidente da Comissão para Acompanhamento da Reforma Política da CNBB conversou com os participantes, que também organizaram debates em grupo e puderam compartilhar dúvidas e opiniões. Também participaram do Fórum, realizado no dia 10 de maio, o bispo auxiliar dom Luís Gonzaga, o Vigário Episcopal para a Ação Social e Política, padre Chico Pimenta e o Vigário Episcopal para a Ação Pastoral, padre Áureo Freitas.

Dom Mol iniciou lembrando que a Assembleia dos Bispos, encerrada nesta semana, discutiu com intensidade o tema da Reforma Política. A CNBB inclusive divulgou a mensagem  “Pensando o Brasil”, por ocasião das eleições 2014, clique aqui para ler a mensagem.

O bispo também citou o Papa Francisco, por meio da Exortação Apostólica Evangelii Gaudium “Ninguém pode exigir-nos que releguemos a religião para a intimidade secreta das pessoas, sem qualquer influência na vida social e nacional”. Segundo dom Mol, a fé autentica não pode ficar restrita às Igrejas, ela deve interagir com a sociedade e deve ter o desejo de mudar para melhor o mundo.  “A Reforma Política é um assunto de interesse de toda a sociedade e cada um de nós pode dar iluminação própria dentro do tema” afirmou o bispo.

Entre as principais propostas do projeto escrito pela Coalizão, estão: a proibição de doações de recursos financeiros de empresas para campanhas eleitorais; a mudança no sistema de votação, sendo feito em dois turnos, no qual, no primeiro, o eleitor votaria em um programa, em ideias e, no segundo turno, escolheria as pessoas que irão colocar em prática o projeto; a equiparação entre o número de homens e mulheres no meio político, sendo que, para cada candidato homem, teria uma mulher; e a regulamentação do artigo 14 da Constituição de 1988, que trata dos instrumentos de participação popular.

A Coalizão Democrática pela Reforma Política e Eleições Limpas, que conta com a participação de dom Mol, é uma iniciativa da CNBB e apoio de cerca de cem entidades da sociedade civil. Já foi entregue à Câmara dos Deputados a proposta de lei e o manifesto em prol do fortalecimento dos mecanismos de democracia direta. Agora, o projeto de reforma política deve ser proposto como uma lei de iniciativa popular. Por isso, a coalizão tem o objetivo de colher mais de 1,5 milhão de assinaturas, para que o texto seja recebido pelo Congresso Nacional. Clique aqui para assinar o projeto de lei.

Saiba mais sobre a Reforma Política Democrática, clique aqui.