Você está em:

Comunidade celebra Ação de Graças pelo centenário das Irmãs Paulinas

Centenas de fiéis participaram, com muita alegria, da Missa em Ação de Graças pelo centenário da Congregação Filhas de São Paulo, conhecidas como Irmãs Paulinas. A celebração foi realizada neste domingo, dia 14 de junho, às 11h, no Santuário Arquidiocesano de Adoração Perpétua – Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem, e foi presidida pelo bispo auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte, dom João Justino e concelebrada por dezenas de padres.

Durante a celebração, dom João agradeceu o trabalho missionário das Irmãs Paulinas na Arquidiocese de Belo Horizonte desde 1948 e destacou quatro importantes frentes de atuação das religiosas na capital mineira. “Podemos ver, pelo grande número de pessoas reunidas aqui nesta celebração, que as Irmãs Paulinas são muito atuantes em toda a nossa Arquidiocese e cultivaram muitos amigos e apoiadores. Posso destacar quatro frentes de trabalho em que a atuação das Paulinas é fundamental. Primeiro nas livrarias, levando o Evangelho por meio de suas publicações, músicas e tantas outras ações. Também no trabalho diocesano e nas paróquias, por meio de pastorais, comissões e assessorias. Pela presença, desde o início, na Pastoral da Comunicação da Arquidiocese, e também no importante Serviço de Animação Bíblica, o SAB” disse dom João.

A irmã Roberta Ferreira, uma das religiosas da congregação em Belo Horizonte, destacou a importância do centenário. “Estamos muito felizes com a celebração e com todo o trabalho realizado. Esperamos que nossa missão possa ser exemplo para outras jovens que queriam dedicar suas vidas para comunicar o Evangelho”. 

Logo após a celebração, foi distribuido, para todos os presentes, o livro “Venerável Tecla Merlo, mil vidas pelo Evangelho”. O livro conta a história da Irmã Tecla Merlo, jovem de saúde frágil, mas que se tornou uma das fundadoras e a primeira superiora geral de uma das mais importantes congregações religiosas do Mundo. Nascida no norte da Itália, em 1894, de família pobre, Tecla Merlo tinha grande sensibilidade para a vida religiosa. Orientada pelo padre Tiago Alberione, que já havia fundado a Congregação dos Padres Paulinos, ela passou a coordenar um grupo de jovens que se preparavam para trabalhar na imprensa, em 1915. Era o início da Congregação das Irmãs Paulinas, que busca evangelizar por meio da comunicação. Irmã Tecla Merlo morreu em 1964, mas ajudou a construir uma Congregação que hoje está presente em 50 países, nos cinco continentes. São cerca de 2300 religiosas no mundo. No Brasil, são 220 irmãs. Em Belo Horizonte, 11 religiosas representam a Congregação.