Você está em:

Celebrando o Domingo da Páscoa

O Senhor ressuscitou aleluia! A misericórdia de Deus é manifestada em plenitude na ressurreição de Jesus Cristo. Ele, o vencedor da morte, abriu para nós as portas da eternidade (oração do dia) para vivermos na liberdade dos filhos e filhas de Deus.

 

A luz

 

Brilha para nós a luz da vida nova! Nos ritos iniciais valorize-se a entrada do Círio Pascal após a saudação inicial da presidência (para a saudação presidencial utilize-se a fórmula D, do Missal Romano: “O Deus da Esperança, que nos cumula de toda alegria e paz…”). Um  jovem traz aceso o Círio enquanto todos entoam: “Bendito seja o Deus da vida pela ressurreição de Cristo e por esta luz, radiante luz! Hoje é o dia da alegria, hoje é o dia da alegria e a tristeza não pode pensar em chegar! Aleluia, aleluia, aleluia!” – Hinário Litúrgico Arquidiocesano Ciclo Pascal, anos A, B, C; pág. 115, refrão C.

 

A água

 

Neste tempo pascal será muito oportuno realizar a aspersão da assembleia no lugar do Ato Penitencial. Aqui previmos a aspersão nos ritos iniciais. Enquanto a presidência e outros  ministros  aspergem o povo, na alegria pascal, a assembleia entoa: “Banhados em Cristo somos uma nova criatura. As coisas antigas já se passaram, somos nascidos de novo. Aleluia, aleluia, aleluia.” Recordamos nosso batismo em que fomos sepultados na morte com Cristo e ressuscitados para a vida na ressurreição d’Ele!

 

A Palavra

 

Na liturgia da Palavra dê-se grande valor à proclamação das leituras bem como ao canto do salmo. Notemos que neste domingo de Páscoa entoaremos a sequência pascal após a segunda leitura. Será fecundo se outro salmista ou um ministro cantor puder entoá-la, da Mesa da Palavra. Temos versões muito bonitas e que podem ser facilmente aprendidas por nossas assembleias. A partitura poderá ser encontrada no site da CNBB.

 

A comunhão

 

O Cordeiro Pascal foi imolado! Demos graças a Deus que nos chamou das trevas à sua luz, abrindo para nós as portas do Reino dos céus. O prefácio poderá ser o II para o tempo da páscoa: “A vida nova em Cristo” (no Missal Romano). Para manifestar mais plenamente nossa participação no Mistério Pascal de Jesus Cristo, que a assembleia comungue, por direito, do pão e do vinho. Será uma escolha fecunda, se neste tempo forte as assembleias puderem comungar com pão ázimo e vinho abundante.

 

Tânia da Silva Mayer
Mestranda em Teologia pela
Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (FAJE)