Você está em:

Anunciar e seguir Jesus, O Cristo: uma vida de esplendor e alegria – artigo de Neuza Silveira, coordenadora do Secretariado Arquidiocesano Bíblico-Catequético de BH

Obra do padre Marko Ivan Rupnik

Obra do padre Marko Ivan Rupnik

A Arquidiocese de Belo Horizonte está trabalhando na realização de um projeto catequético, atendendo à proposta da CNBB apresentada no documento 107 : “Iniciação à vida cristã: itinerário para formar discípulos missionários. Estudando o documento percebe-se uma riqueza enorme que nos desperta para um ‘conformar-se a nossa vida à de Cristo’.

Pensando em nossas catequeses e em todo o processo evangelizador da Arquidiocese, bem com o projeto ‘Proclamar a Palavra’, encontramo-nos numa situação única de deixar-se banhar por toda a beleza contida no significado do ‘ser Iniciado’ na fé cristã, ‘ser introduzido’ no mistério de Cristo Jesus: sua paixão, morte e ressurreição, ascensão, envio do Espírito Santo e retorno glorioso.

No decorrer de toda vivência da nossa fé cristã, nós estamos inseridos no mistério da vida do Cristo, desde o nascer até o morrer. O mundo está impregnado desse mistério, mundo que recebeu o Espírito do ressuscitado para vir morar em nós e no meio de nós. Isto aconteceu para que a missão aconteça. Nessa função missionária o Espírito está conosco até à Parusia.

Ao falarmos de Parusia, estamos falando de uma epifania (manifestação) de Cristo glorificado. A Parusia nos fala dos finais dos tempos. Podemos ver no Evangelho de João numerosas passagens que atribuem ao encontro do homem com Cristo, a partir dessa vida. Para o evangelista João é falar: da manifestação da glória (Jo,14; 2,11; 12,23.28.32s.; 13,31;17,5), a vitória sobre o mundo (16,33), o julgamento do mundo (3,19; 5,22s.; 12,31) e a ressurreição dos mortos (5,25.28; 11,25). Tudo isso já se define desde a primeira vinda de Cristo e particularmente a Hora Pascal. Desde então, em nossas celebrações Eucarísticas, nos colocamos na expectativa de sua vinda quando pronunciamos: “estamos esperando a sua vinda gloriosa”. O Espírito que nos foi dado em Pentecoste e faz presente em nossa vida, caminha conosco e nos impulsiona para vivermos esse tempo presente em missão: tempo da missão universal sob a guia e com o poder do Espírito (At. 1,8).

Reiniciação à vida Cristã

Diante da realidade na qual encontramos hoje, a Igreja está nos convocando a renovar, reconstruir, atualizar o nosso itinerário da fé, ou seja, refazer um caminho de pertencimento. percorrer o caminho de Jesus Cristo. Ser uma pessoa discípula aprendiz seguidora. Aprender com o Mestre Jesus. Para o Papa Francisco, a formação cristã é o caminho. Somos chamados ao aprofundamento do querigma que se vai, cada vez mais e melhor, fazendo carne, que nunca deixa de iluminar a tarefa catequética. O querígma é a pregação do Reino de Deus, ou seja, a pregação de Jesus, mais ampliada, revista, reinterpretada à luz do acontecimento fundamental da morte e da ressurreição de Jesus de Nazaré, messias e Filho de Deus. É esse acontecimento que é a única explicação possível de todo o ensinamento de Jesus Cristo.

Todo coração humano traz consigo um anseio de infinito. Caminhamos na esperança da Parusia. Há sempre buscas secretas, que inquietam o coração. Anseios que apontam a sede de Deus. O seguimento a Jesus nos faz criar reações, nos leva ao desejo de estar com os outros partilhando, anunciando a beleza e a alegria profunda de viver como Cristo viveu.

A Igreja precisa encontrar caminhos para que todas as pessoas batizadas experimentem a beleza e a grandeza de serem discípulas missionárias. Também acolher a todos as outras pessoas que desejarem ser batizadas. A formação cristã é o caminho. Uma formação que indica rumos novos para Igreja “Povo de Deus”, para construir novo paradigma pastoral, proporcionar mudança de mentalidade, a partir do conhecimento da realidade de cada comunidade.

O Estudo sobre o tema da Iniciação à vida Cristã nos ajudará a construir o itinerário de formação dos discípulos missionários. O documento foi apresentado em quatro capítulos:

• No tema do primeiro capítulo “Um Ícone bíblico: Jesus e a Samaritana” vamos nos deparar com um ensinamento do evangelista João que vai nos falar do encontro de Jesus com a mulher Samaritana, um tema que iremos refletir no próximo artigo.

• No segundo capítulo, o tema é “O processo de Iniciação à vida Cristã ao longo da história”. Um tema instigante para os nossos dias, pois é conhecendo o caminhar da nossa Igreja, bem como o caminhar da fé cristã na história da Igreja que vamos perceber o caminho já realizado e que novos caminhos são necessários construirmos juntos para a transmissão da fé em nossos tempos. a História nos inspiram.

• No terceiro capítulo nos deparamos com o tema “Discernir como Igreja: Iluminar”. Conhecendo a história de fé cristã e se colocando na dinâmica do encontro de Jesus, nesse capítulo será apresentado alguns elementos que a Igreja usou e que, hoje, inspiram nossa ação evangelizadora e nos ajuda a tornarmos uma “Igreja casa da Iniciação à vida Cristã”.

• No quarto capítulo o tema é: “Propondo caminhos: agir. Esse capítulo nos leva a colocar em prática todo conteúdo apresentado nos capítulos anteriores, elaborando um projeto (Arq)Diocesano de Iniciação à vida Cristã de tal forma que atenda às Diretrizes exigentes da Igreja do Brasil, além de outras proposições que podem ser acolhidas de acordo com cada situação e realidade da Igreja particular Dioceses).

Vamos juntos estudar esse documento, percorrendo o itinerário proposto nos capítulos que nos trazem uma visão ampliada e necessária do processo de evangelização. Realizar uma formação continuada que nos mergulhará no mistério Pascal: mistério da nossa fé cristã.

 

 

 

 

Neuza Silveira de Souza é Coordenadora do Secretariado
Arquidiocesano Bíblico-Catequético de Belo Horizonte