Você está em:

Ajudar é compromisso cristão – entrevista com o padre José Antônio, pároco na Paróquia Santa Catarina Labouré

O padre José Antônio Pereira das Neves, pároco na Paróquia Santa Catarina Labouré, bairro Dona Clara (Região da Pampulha, em Belo Horizonte), faz uma convocação: todos os católicos precisam seguir o exemplo de Cristo e buscar servir aos irmãos que precisam de ajuda. O sacerdote lembra que a vivência da fé inclui o compromisso com o exercício da caridade.
O Mestre indica o caminho

“Jesus Cristo ensina a importância do serviço aos irmãos, em diferentes passagens bíblicas, de modo especial no Evangelho segundo São João, no capítulo 13, versículos de um a seis. Nessa passagem da Palavra de Deus, Jesus, que é Mestre e Senhor, lava os pés de seus discípulos. Eis um exemplo para todos nós. Devemos estar sempre a serviço. Também tem força pedagógica o gesto de Cristo que parte o pão entre os discípulos, alimento espiritual para que tenhamos disposição para servirmos uns aos outros. Importante perceber: a comunhão é a unidade e a partilha. Assim, a celebração da Missa é oportunidade para o encontro de todos, vivenciar a fé e receber a Eucaristia, para ter força na missão de ajudar outras pessoas.”

Os momentos de fragilidade não eximem o cristão da tarefa de ajudar

“Não raramente, as situações de dificuldade, inerentes à vida humana, provocam revolta contra Deus, enfraquecimento da fé. Mas é importante lembrar que o tempo é um bálsamo e cura feridas. Assim, os momentos de fraqueza devem ser considerados passageiros. E o Pai sempre acolhe os filhos que retornam. Importante destacar que, em outras situações de fragilidade, ocorre algo diferente: pessoas, diante da dor, buscam na fé a força para superar as dificuldades. E a fé exige dedicar tempo para o auxílio dos irmãos. Lembro que o povo vivencia com especial ardor a Sexta-feira da Paixão, justamente por ser sofredor e se identificar com o Cristo, que sofre na Cruz. Esse sofrimento vivido pelo povo não o exime da responsabilidade de ser solidário com quem sofre mais. Algumas vezes a pessoa pensa que só pode partilhar dinheiro, mas é preciso considerar outras riquezas: o conhecimento, a formação cultural, o dom de ser carinhoso e prestativo. Existem várias formas de ajudar. Aqui na Paróquia, por exemplo, há vários anos, o povo se organiza para preparar um alimento que é distribuído para moradores em situação de rua. Coloca em prática, assim, o que nos pede o Papa Francisco: ser uma Igreja em saída. Os fiéis acolhem também o que nos pede o arcebispo dom Walmor: dedicação especial aos mais pobres. O trabalho voluntário é um bonito caminho para o serviço.”

O protagonismo dos leigos

“Ao receber o batismo, todos se tornam sacerdotes, profetas e reis. O dever de evangelizar não se restringe apenas aos consagrados. É missão de cada pessoa que se propõe a seguir Cristo. E que todos reconheçam: evangelizar é levar a Palavra, não somente com palavras, mas com o testemunho, o que pressupõe ações coerentes com o que ensina o Evangelho. Lembro-me de São João Paulo II, que dizia sempre: não é mais o povo que vem à Igreja para ser evangelizado. Nesse mundo tão corrido, com tantos sofrimentos, nós é que temos que ir ao encontro das pessoas.”

Fortalecer as instituições caritativas da Igreja

“A Igreja, Povo de Deus, deve se mobilizar para fazer algo, contribuir para que o mundo fique repleto de bons exemplos. Cada vez mais precisamos de pessoas, dos católicos, que se reúnam em grupos para testemunhar que Cristo está entre nós, indo ao encontro do pobre, do necessitado. É o que nos pede Jesus. Nesse mundo cheio de maus exemplos e violência, devemos testemunhar a fé com gestos concretos.”

Oração

A prece indicada pelo padre José Antônio Pereira das Neves é conhecida especialmente pelos fiéis do Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, onde o sacerdote nasceu:
Guia Deus a minha sorte
Guia Deus a minha sorte
nesta terra de peregrinação.
Fraco sou, mas Tu é forte.
Não me larga a Tua mão
nesta terra de inimigo;
ando cheio de pavor
no meio do perigo.
Guia ó Deus, meu coração.
Guarda-me da faminta peste.
Livrai a mim da tentação.
Abre as fontes cristalinas
de onde as vivas águas vê.
Dai, ó Deus, a divina direção:
meus caminhos regem bem
acompanhado com Deus
e a Virgem Maria. Assim seja.