Você está em:

ADCE Minas presente no seminário do Conselho Pontifício de Justiça e Paz

 

A Associação de Dirigentes Cristãso de Empresas (ADCE-MG), por meio de seu presidente, Sérgio Frade – representando a ADCE Brasil, participou do seminário “Decent work, social justice and global poverty eradication” em Roma, nos dias 29 e 30 de abril.

Sérgio Frade apresentou no seminário a atual situação brasileira com relação ao combate à miséria, educação e emprego (em especial para os jovens) e emigração – sob os aspectos governamental e empresarial. Da mesma forma, representantes de outras organizações apresentaram a situação de seus países.

O seminário organizado pelo Conselho Pontifício de Justiça e Paz do Vaticano, presidido pelo Cardeal Peter Turkson, teve como objetivo reforçar a colaboração entre a Igreja Católica e suas diferentes entidades parceiras sociais e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) no contexto das discussões pós 2015 na Assembleia Geral das Nações Unidas.

O encontro serviu para definir o  caminho a seguir, assumindo o compromisso global de trabalho decente por organizações de inspiração da Igreja Católica.

As organizações presentes ao seminário reiteraram o compromisso de alcançar o acesso ao trabalho decente e que promover e criar um ambiente propício é essencial hoje para enfrentar os atuais desafios da desigualdade e crescente injustiça social, reforçando a dignidade humana e contribuindo para o bem comum.

Sofrimentos humanos resultantes de estruturas injustas, formas precárias e mal remuneradas de trabalho, de tráfico de seres humanos e trabalho forçado, formas amplamente difundidas de desemprego entre os jovens e as formas indesejáveis de migração não podem ficar sem resposta.

As organizações também se comprometeram a trabalhar em conjunto e em estreita colaboração com a Organização Internacional do Trabalho e as partes interessadas para promover o trabalho decente, entendendo que o acesso a um trabalho decente deve ser garantido a todos por meio da formulação e implementação do novo conjunto de metas internacionais de desenvolvimento, incluindo as condições de apoio e políticas econômicas.

A meta é fazer do “trabalho digno para todos” um objetivo explícito das metas internacionais de desenvolvimento pós-2015.

Desde o início de seu Pontificado, o Papa Francisco tem insistido veementemente na importância do trabalho para a dignidade humana, para os mais necessitados e para os adultos jovens.

Sua voz soou fortemente em temas como a proteção aos trabalhadores da indústria do vestuário em Bangladesh, a proteção às crianças contra as piores formas de trabalho infantil, a proteção dos migrantes, especialmente os sem documentação, bem como as vitimas do tráfico.

Esses chamados reiteram alguns dos chamados mais vibrantes do Papa Bento, a respeito da necessidade de se defender o emprego pleno enquanto se observa cuidadosamente as condições nas quais o trabalho será exercido.

A Diplomacia da Santa Sé e as ONGs Católicas tem feito tentativas significativas de fazer eco a esses chamados na arena pública internacional, especialmente quando está em jogo o estabelecimento da Agenda Internacional de Desenvolvimento.

Faz-se especialmente importante prestar atenção ao processo recentemente estabelecido em nível internacional e de forma acordada, quanto aos novos objetivos de desenvolvimento e erradicação da pobreza.

Durante a Conferência Rio + 20 foi acordado que os objetivos para o desenvolvimento sustentável deveriam envolver as três dimensões reconhecidas: objetivos econômicos, sociais e ambientais.

Desde 2012, acontece um esforço concentrado no sistema multilateral para propor de um lado, uma avaliação dos objetivos de desenvolvimento do Milênio existentes, bem como a construção de um caminho para o estabelecimento de novos objetivos acompanhados por metas mensuráveis. Ambos os esforços convergem através de um grupo de trabalho aberto, dentro do âmbito da Assembleia Geral das Nações Unidas.

Neste processo várias entidades e instâncias das Nações Unidas instauraram suas próprias metas para obter um objetivo específico alinhado aos seus respectivos mandatos. Por exemplo, desde o início das discussões, a OIT tem enfatizado o importante papel de se fomentar o trabalho digno e da erradicação da pobreza.