Você está em:

Papa Bento XVI anuncia nova diocese para o Brasil

A Igreja Católica no Brasil tem uma nova diocese. O Papa Bento XVI anunciou nesta quarta-feira, 9, a elevação da prelazia de Óbidos (PA) à categoria de diocese e a nomeação do seu primeiro bispo, dom frei Bernardo Johannes Bahlmann, OFM.

A festa da elevação será realizada nos dias 21 e 22 de janeiro do próximo ano, com a presença do núncio apostólico do Brasil,dom Lorenzo Baldisseri, na sede da nova diocese. Nesta ocasião, o núncio também vai inaugurar o Centro de Juventude São Francisco, onde funciona o Projeto Cultura pela Paz e a Fazenda da Esperança.

Com o badalar dos sinos da catedral de Sant’Ana e muitos fogos, o povo recebeu a notícia durante a Missa solene na manhã desta terça-feira, 8, em Óbidos. “O povo é muito religioso e ficou muito feliz com o anúncio do papa. Estou muito feliz à frente do meu rebanho e mais ainda por fazer parte desta história“, disse dom Bernardo, que foi nomeado bispo para Óbidos em 2009.

Segundo dom Bernardo, há trinta anos já se queria elevar a prelazia à categoria de diocese, pois ela já contava com as estruturas para isso. “Atualmente existem 13 prelazias no Brasil”, explica o bispo franciscano, lembrando que quando foi criada a prelazia, ela foi confiada à Ordem dos Frades Menores, através da Província Franciscana de Santo Antônio, com sede no Recife (PE). “Os franciscanos já estavam aqui em várias paróquias na região de Óbidos e a criação da prelazia foi entregue à Ordem Franciscana”.

A prelazia de Óbidos nasceu do desmembramento da prelazia de Santarém, a pedido de dom João Floriano Loewenau, em 10 de abril de 1957. Desde então, assim como dom Bernardo, os três bispos anteriores a ele eram da Ordem Franciscana. Há que se destacar o grande trabalho missionário de dom Martinho Lammers, que ficou 33 anos à frente da prelazia. “Investiu muito na formação dos leigos e nas diversas Pastorais, sobretudo na Pastoral Catequética, Social e do Dízimo”, acrescenta dom Bernardo.

A Prelazia está localizada na Região Oeste do Pará, fazendo limite territorial com a Guiana Inglesa, Suriname, Roraima (RR) e Amazonas. Limita-se com as áreas diocesanas de Santarém, Roraima (RR), Parintins (AM) e Itacoatiara (AM).Dom Bernardo lembra que o território da prelazia tem uma extensão de 182 mil km², quase o tamanho do estado do Paraná. Sua população é de 250 mil habitantes, dos quais 80 % confessam a religião católica. Há sete municípios/paróquias – Óbidos, Alenquer, Curuá, Oriximiná, Terra Santa, Faro e Juruti – que atendem em torno de 600 comunidades. Neste vasto território, 22 padres – seis diocesanos incardinados, quatro padres Fidei-Donum de Juiz de Fora e da Alemanha, três franciscanos e nove missionários do Verbo Divino – e 18 religiosas franciscanas de três Congregações, além de 8 seminaristas -, garantem esta grande obra evangelizadora, conforme o lema da nova diocese: “Uma Diocese Missionária no coração da Amazônia”.

Além dos bispos, a presença missionária franciscana é forte nesta região, graças à Ordem dos Frades Menores, e às congregações como a do Verbo Divino, das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, das Franciscanas de Maristela; das Irmãs Franciscanas da Ação Pastoral e das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras, que irão iniciar uma nova missão no dia 20 de novembro.

Segundo dom Bernardo, os desafios aumentam à medida que a população cresce. “A prelazia busca responder aos problemas atuais com coragem e dinamismo dando uma resposta concreta a cada problemática, como a criação do Projeto Cultura pela paz para tirar os jovens que vivem em situação de risco e a vinda da Fazenda da Esperança para ajudar na recuperação de dependentes químicos“, observa o bispo franciscano.

Desde sua fundação, a prelazia teve uma vasta atividade pastoral, e atualmente trabalha novos projetos e formas de evangelização nas seguintes pastorais: vocacional, familiar, social, comunicação, criança e juventude. Mas o grande desafio, segundo o bispo, é promover o crescimento vocacional na prelazia, para que aumente o número dos padres nativos.