Você está em:

Começa o 2º Circuito Sociocultural do Vicariato Episcopal para Ação Social e Política

Mostrar que os esforços de muitos na busca por uma sociedade mais justa e fraterna já dão grandes resultados e, assim, renovar as esperanças de todos que colaboram com os trabalhos sociais da Igreja. Este é, na avaliação do bispo auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte, dom Joaquim Mol, o grande objetivo do 2º Circuito Sociocultural promovido pelo Vicariato Episcopal para a Ação Social e Política da Arquidiocese de Belo Horizonte. Dom Mol esteve presente na solenidade que marcou o início do evento e lembrou que “a Igreja não existe para si mesma”. Deve dedicar-se ao serviço, a partir de uma opção preferencial pelos pobres. “Aquele que a fundou, Jesus de Nazaré, é homem da alteridade. Viveu completamente para os outros”, afirmou.

Durante a abertura do 2º Circuito Sociocultural, dom Mol lembrou que o Brasil enfrenta grandes dificuldades, como a corrupção e a carência de um sistema educacional de qualidade. Lembrou que o Exame Nacional do Ensino Médio, mecanismo que avalia a qualidade do ensino no país, mostrou um quadro preocupante. “O Brasil tomou bomba no ENEM”, constatou. O bispo, no entanto, recordou que inúmeras iniciativas alimentam um otimismo. E, para dom Mol, mostrar as boas ações é um caminho para promover a esperança. “Um coração sem esperança adoece”, argumenta. O bispo agradeceu a presença de todos, especialmente das várias autoridades que acompanharam a abertura do Circuito, como o secretário de Estado de Defesa Social, Wander Borges, o vice-prefeito de Belo Horizonte, Roberto Carvalho e o secretário Municipal de Políticas Sociais, Jorge Nahas.

Com estandes que apresentam um pouco das grandes iniciativas desenvolvidas pelas várias pastorais sociais da Arquidiocese de Belo Horizonte, o 2º Circuito Sociocultural tem também uma programação de seminários e palestras, que ocorrem até o dia 25 no Colégio Santa Maria, Unidade Floresta. O diretor de ensino religioso da instituição, padre Luiz Cezar Antunes, lembrou que alunos e professores do Colégio Santa Maria também estão envolvidos com os trabalhos sociais da Igreja.

Já o vigário Episcopal para Ação Social e Política da Arquidiocese de Belo Horizonte, padre Ademir Ragazzi, enalteceu os esforços dos inúmeros parceiros e agentes de pastoral da Arquidiocese. Junto com dom Mol, homenageou algumas instituições que colaboram com o Vicariato Episcopal para Ação Social e Política. A solenidade terminou com uma apresentação musical feita por jovens e crianças.