Você está em:

Cardeal Marc Ouellet visita Arquidiocese a apresenta livro do Papa na PUC Minas

A Arquidiocese de Belo Horizonte recebeu a visita do cardeal Marc Ouellet. Prefeito da Congregação para os Bispos do Vaticano, o cardeal apresentou na PUC Minas o mais recente livro escrito pelo Papa Bento XVI: Jesus de Nazaré – Da Entrada em Jerusalém até a Ressurreição. O auditório 3 do prédio 43 do campus Coração Eucarístico estava bastante cheio, com a presença de estudantes de filosofia, seminaristas, padres e professores, além de diretores da PUC Minas e de sua mantenedora, a Sociedade Mineira de Cultura.

O cardeal Marc Ouellet agradeceu o convite feito por dom Walmor para a visita a Belo Horizonte e à PUC Minas. “Era a oportunidade para conhecer a realidade de uma universidade brasileira”, afirmou. Sobre o livro publicado por Bento XVI, o cardeal disse que o Papa apresentou humildade para debater com os exegetas (cientistas que buscam estudar e explicar as escrituras bíblicas), “com rigor científico, mas com a fé no Espírito Santo”. Neste sentido, de acordo com a avaliação do cardeal, Bento XVI foi além do racionalismo positivista (corrente de pensamento que coloca a razão acima de tudo). Para isso, conforme explica o prefeito da Congregação para os Bispos do Vaticano, o Papa “interpreta os fatos reais guiado pela hermenêutica da fé, mas levando em consideração a exegese histórico-crítica”.

O livro aborda a paixão, morte e ressurreição de Jesus. Entre os muitos ensinamentos do Papa, por meio da publicação, o cardeal Oullet destacou, entre outros pontos, a análise feita a respeito do sepulcro vazio. Para o Papa, conforme explica o cardeal, é um sinal, “marca deixada na história do anúncio apostólico que não pode ser explicada por experiências místicas anteriores”. Além disso, conforme apresenta o cardeal, as inúmeras aparições de Cristo, pós-ressurreição, mostram que Jesus não está preso às leis do espaço e do tempo.

Antes de o cardeal apresentar a recente publicação do Papa, o arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo, e o reitor da PUC Minas, bispo auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte, dom Joaquim Mol, agradeceram a presença do convidado. Dom Walmor disse que a visita reafirma a “importância da filosofia e da teologia para iluminar os caminhos da universidade e sua missão”. O arcebispo lembrou que o Instituto de Filosofia e Teologia Dom João Resende Costa está localizado no “coração da PUC Minas, um incentivo para que seus alunos e professores vivam o desafio da produção cientifica de qualidade, capaz de transformar a própria universidade”.

Dom Mol, por sua vez, lembrou que a “universidade está aberta ao diálogo das ciências, sempre à luz da fé católica”. O reitor da PUC Minas afirmou que o Instituto Dom João Resende Costa tem recebido grandes investimentos, na busca de seu fortalecimento. “Sua presença, nesta trajetória (do Instituto), é um marco importante”, disse o reitor da PUC Minas, dirigindo-se ao cardeal Marc Ouellet.
 

Igrejinha da Pampulha

No último domingo, após desembarque no aeroporto da Pampulha, o cardeal Marc Oullet foi conhecer a Igreja São Francisco de Assis (Igrejinha da Pampulha), acompanhado por dom Walmor. De acordo com o arcebispo, ao visitar a Igrejinha da Pampulha, o cardeal, que já conhece o barroco mineiro, passa a conhecer também a importância da capital para a arte moderna. Na Igrejinha, o arcebispo e o cardeal foram recepcionados pelo cantor Rubinho do Vale, que interpretou músicas que refletem a religiosidade do povo mineiro.

No aeroporto, um grupo de crianças da Paróquia Santo Antônio (Pampulha), fizeram uma homenagem carinhosa ao cardeal: entregaram flores e fizeram uma apresentação cultural de música e canto. 


Sobre o cardeal

Prefeito da Congregação para os Bispos, presidente da Pontifícia Comissão para a América Latina no Vaticano, arcebispo emérito do Quebéc e primaz do Canadá, o cardeal Ouellet nasceu em La Motte, região de Abitibi, na província do Quebec. Tem formação em Filosofia, Pedagogia e Teologia, com pós-graduação em Filosofia na Pontifícia Universidade Santo Tomás de Aquino em Roma e doutorado em Teologia Dogmática pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. Atuou na Colômbia e no Canadá como professor e reitor (Seminário de Manizales e Seminário Maior de Montreal, entre outros).

O cardeal canadense atuou como consultor da Congregação para o Clero, no Vaticano, e do Conselho Geral da Congregação de São Suplício. Em dicastérios vaticanos, é ainda membro da Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, da Congregação para a Educação Católica, do Pontifício Conselho para a Cultura, do Pontifício Comitê para os Congressos Eucarísticos Internacionais, entre outros.