Você está em:
Arquidiocese de Belo Horizonte
  • 18 de setembro, 25º Domingo do Tempo Comum

    Baixar áudio
    -Hoje é dia 18 de setembro, 25º Domingo do Tempo Comum

    - Se somos sinceros, descobriremos que, em nossa vida, confiamos muito mais nas coisas externas e muito pouco naquilo que realmente somos. Com frequência, servimos ao dinheiro e nos servimos de Deus. Proclamamos Deus como o Senhor, mas quem manda de verdade é o dinheiro. Deus é Amor gratuito, mas dinheiro quer tudo..., até a “alma”. Aos poucos, o “dinheiro” vai se transformando em “senhor” que exige pesados sacrifícios e um alto investimento afetivo, esvaziando outras dimensões de nossa vida. Refletindo sobre isso começa tua oração.

    - Escute o Evangelho de Lucas, capítulo 16, versículos 1 a 13:

    Naquele tempo, Jesus dizia aos discípulos:
    "Um homem rico tinha um administrador que foi acusado de esbanjar os seus bens. Ele o chamou e lhe disse:
    'Que é isto que ouço a teu respeito? Presta contas da tua administração, pois já não podes mais administrar meus bens'.
    O administrador então começou a refletir:
    'O senhor vai me tirar a administração. Que vou fazer? Para cavar, não tenho forças; de mendigar, tenho vergonha.
    Ah! Já sei o que fazer, para que alguém me receba em sua casa
    quando eu for afastado da administração'.
    Então ele chamou cada um dos que estavam devendo ao seu patrão.
    E perguntou ao primeiro: 'Quanto deves ao meu patrão?'
    Ele respondeu: 'Cem barris de óleo!'
    O administrador disse: 'Pega a tua conta, senta-te, depressa,
    e escreve cinquenta!'
    Depois ele perguntou a outro: 'E tu, quanto deves?'
    Ele respondeu: 'Cem medidas de trigo'.
    O administrador disse: 'Pega tua conta e escreve oitenta'.
    E o senhor elogiou o administrador desonesto, porque ele agiu com esperteza.
    Com efeito, os filhos deste mundo são mais espertos em seus negócios do que os filhos da luz. E eu vos digo:
    Usai o dinheiro injusto para fazer amigos, pois, quando acabar,
    eles vos receberão nas moradas eternas.
    Quem é fiel nas pequenas coisas também é fiel nas grandes,
    e quem é injusto nas pequenas também é injusto nas grandes.
    Por isso, se vós não sois fiéis no uso do dinheiro injusto,
    quem vos confiará o verdadeiro bem?
    E se não sois fiéis no que é dos outros, quem vos dará aquilo que é vosso? Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou odiará um e amará o outro, ou se apegará a um e desprezará o outro.
    Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro".

    -A mensagem do Evangelho deste domingo não só nos instiga a sermos mais astutos com os valores do Reino de Deus, mas também nos alerta para o perigo de afeição desordenada com relação ao ídolo dinheiro. O dinheiro pode ser mediação para ajudar às pessoas, mas também pode se tornar o “absoluto” da existência. No fundo, o evangelho de hoje nos situa diante do maior dilema de nossa vida, diante da única pergunta na qual investimos tudo: quem é o “senhor” que determina nossa vida? Na prática, segundo a resposta que lhe demos, viveremos “para o dinheiro” (nas “trevas”) ou “para Deus” (na “luz). Peça ao Senhor que te ajude a optar sempre por Ele.

    - Seu compromisso com o Reino afeta seu “bolso”? Você sabe e sente a força de sedução que o dinheiro exerce e da capacidade que ele tem de atrofiar sua sensibilidade diante da realidade e dos outros?

    - " Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro", diz Jesus no evangelho de hoje. Aos poucos, o “dinheiro” vai se transformando em “senhor” que exige pesados sacrifícios e um alto investimento afetivo, esvaziando outras dimensões de nossa vida. Diz o Pe. Adroaldo Palaoro:

    “Para os seguidores de Jesus, o amor não é apenas um preceito, é uma atitude de vida, que pede um total investimento afetivo. Por isso, o “afeto desordenado” ao dinheiro, como fonte de desamor, se apresenta não somente como problema ético, mas também como problema de crença, de fé. Cada um de nós precisa encontrar a maneira de agir com sagacidade mas para construir relações mais sadias, através da partilha.”

    Termina tua oração pedindo ao Senhor que te ajude a colocar tudo a serviço por amor. Que Ele seja sempre o único Senhor da sua vida. Peça também pela paz no mundo e para que os governantes tenham misericórdia no coração.

    - Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio, agora e sempre. Amém.