Você está em:

16 de novembro, 4ª feira, 33ª semana do Tempo Comum

Baixar áudio
-Hoje é dia 16 de novembro, quarta feira da 33ª semana do Tempo comum

-No Evangelho de hoje Jesus chama a atenção para a importância do ir além do cumprimento da lei. Esta é importante. Todos os empregados, na parábola, cumpriram a lei, até mesmo aquele que não investiu o dinheiro, mas guardou-o e depois o entregou ao patrão. Jesus ensina que para se tornar presente o Reino de Deus precisa ir além do cumprimento da lei.
Peça ao Senhor a graça de se colocar sempre à disposição do Seu Reino.

- Abra o coração e se coloca na escuta das palavras do Evangelho de Jesus Cristo Segundo Lucas, Capítulo 19, versículos de 11-28:

“Jesus contou uma parábola para os que ouviram o que ele tinha dito. Agora ele estava perto de Jerusalém, e por isso eles estavam pensando que o Reino de Deus aí aparece logo. Então Jesus disse: Certo homem de uma família importante foi para um país que ficava bem longe, para lá ser feito rei e depois voltar. Antes de viajar, chamou dez dos seus empregados, deu a cada um uma moeda de ouro e disse: “Vejam o que vocês conseguem ganhar com esse dinheiro, até minha volta.
Acontece que o povo do seu país o odiava e por isso mandou atrás dele uma comissão para dizer que não queriam que aquele homem fosse feito rei deles.
O homem foi feito rei e voltou para casa. Aí mandou chamar os empregados a quem tinha dado o dinheiro para saber quanto haviam conseguido ganhar. O primeiro chegou e disse: “Patrão, com aquela moeda de ouro que o senhor me deu, eu ganhei dez.”
“Muito bem! Respondeu ele; você é um bom empregado! E, porque foi fiel em coisas pequenas, você vai ser governador de 10 cidades.”
O segundo empregado veio e disse: “Patrão, com aquela moeda de ouro que o senhor me deu, eu ganhei cinco. Você vai ser o governador de cinco cidades! – disse o patrão.”
O outro empregado chegou e disse: “patrão, aqui está sua moeda. Eu a embrulhei num lenço e a escondi. Tive medo do senhor, porque sei que é um homem muito duro; que tira dos outros o que não é seu e colhe o que não plantou.”
Ele respondeu: “Você é um mau empregado! Vou usar suas próprias palavras para julga-lo. Você sabia que eu era um homem duro, que tiro dos outros o que não é meu e colho o que não plantei. Então por que você não pôs o meu dinheiro no banco? Assim, quando eu voltasse da viagem, receberia o dinheiro com juros.”
E disse para os que estavam ali: “Tirem dele a moeda e deem ao que tem 10.”
Eles responderam: “Mas ele já tem 10 moedas, patrão!” E o patrão disse: “Eu afirmo a vocês que aquele que tem muito receberá ainda mais; mas quem não tem, até o pouco que tem será tirado dele. E agora traga aqui os meus inimigos, que não queriam que eu fosse o rei deles, e os matem na minha frente.”

- O ensinamento de Jesus é simples. A parábola recorda a morte e ressurreição de Jesus Cristo, a missão conferida aos servos de cuidar do dinheiro do patrão. Esse era odiado por todos e não o queriam como rei. Mas, ao retornar como rei, elogiou os servos que multiplicaram seu dinheiro e humilhou aquele que não fez seu dinheiro multiplicar.
Peça ao Senhor que lhe dê a sabedoria e a graça de compreender os ensinamentos de Jesus e coloca-los em prática de forma a cumprir os valores éticos do evangelho.

-Que dons ou talentos você possui e pode usar para o benefício de todos? O que faz com os seus talentos? O que responderia, hoje, você a Deus se Ele te perguntasse o que fez com o que recebeu?

-Conta o evangelho “O outro empregado chegou e disse: “patrão, aqui está sua moeda. Eu a embrulhei num lenço e a escondi. Tive medo do senhor, porque sei que é um homem muito duro; que tira dos outros o que não é seu e colhe o que não plantou”. Na lógica do Reino de Deus, os pequenos se tornam grandes. Na estrutura da parábola, percebe-se o poder e a ambição do dinheiro, mas o Reino de Deus se estrutura a partir dos pobres, mansos e misericordiosos, com fome e sede de justiça e partilha. Charles Chaplin num texto chamado “O caminho da vida”, diz assim:

O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém nos extraviamos.

A cobiça envenenou a alma dos homens... levantou no mundo as muralhas do ódio... e tem-nos feito marchar a passo de ganso para a miséria e morticínios.

Criamos a época da velocidade, mas nos sentimos enclausurados dentro dela. A máquina, que produz abundância, tem-nos deixado em penúria.

Nossos conhecimentos fizeram-nos céticos; nossa inteligência, empedernidos e cruéis. Pensamos em demasia e sentimos bem pouco.

Mais do que de máquinas, precisamos de humanidade. Mais do que de inteligência, precisamos de afeição e doçura. Sem essas virtudes, a vida será de violência e tudo será perdido.

- Termine sua oração dando graças pela presença do Senhor em sua vida. Alegre-se, pois, aquele que faz opção pessoal por Jesus e realiza ações gratuitas, justas e solidárias, será sempre merecedor da Graça de Deus.

-O Senhor nos abençoe e nos guarde. O Senhor nos mostre o Seu rosto brilhante. O Senhor nos conceda sempre a sua paz. Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. Assim como era no princípio, agora e sempre. Amém.