Você está em:

12 de novembro, sábado, 32ª semana do Tempo Comum

Baixar áudio
- Hoje é dia 12 de novembro, sábado da Trigésima Segunda semana do Tempo Comum.

-A parábola do evangelho de hoje contém um ensinamento importante: «A necessidade de rezar sempre, sem jamais se cansar». Portanto, não se trata apenas de rezar algumas vezes, quando sentimos vontade. Não, Jesus diz que é preciso «rezar sempre, sem jamais se cansar». E apresenta o exemplo da viúva e do juiz. Comece sua oração agradecendo a Deus porque Ele sempre te acompanha e quer estar em diálogo, em intimidade com você.

-Escuta o Evangelho segundo Lucas, capítulo 18, versículos de 1 a 8.

-Naquele tempo, Jesus contou aos discípulos uma parábola, para mostrar-lhes a necessidade de rezar sempre, e nunca desistir, dizendo: "Numa cidade havia um juiz que não temia a Deus, e não respeitava homem algum. Na mesma cidade havia uma viúva, que vinha à procura do juiz, pedindo: 'Faze-me justiça contra o meu adversário!' Durante muito tempo, o juiz se recusou. Por fim, ele pensou: 'Eu não temo a Deus, e não respeito homem algum. Mas esta viúva já me está aborrecendo. Vou fazer-lhe justiça, para que ela não venha a agredir-me!'''
E o Senhor acrescentou: "Escutai o que diz este juiz injusto. E Deus, não fará justiça aos seus escolhidos, que dia e noite gritam por ele? Será que vai fazê-los esperar? Eu vos digo que Deus lhes fará justiça bem depressa. Mas o Filho do homem, quando vier, será que ainda vai encontrar fé sobre a terra?"

-O exemplo da viúva trazido no Evangelho é significativo. Ela pertencia a um tipo de pessoas conhecido por “os pobres de Deus”, aqueles que se curvam para pedir proteção, pois, do contrário, a vida não lhes será de bom grado. O juiz, mesmo sendo injusto, por causa da insistência dela, passa a escutá-la, pondo, finalmente, seu desejo em concreto. Se a viúva conseguiu dobrar o juiz desonesto com seus pedidos insistentes, quanto mais Deus, que é Pai bom e justo, «não fará justiça aos seus escolhidos, que dia e noite gritam por ele?»; e além disso, não «vai fazê-los esperar», mas agirá «bem depressa». Por isso, Jesus exorta a rezar “sem jamais se cansar”. Medite sobre a beleza desse Deus que te escuta sempre e abra seu coração a Ele.

-Você tem apresentado a Deus aquilo que de fato habita em seu coração? Você tem ouvidos capazes de escutar Deus? Tem olhos treinados para enxergar as respostas de Deus? Como ser capaz de escutar Deus no seu dia-a-dia tão corrido?

- “Jesus contou aos discípulos uma parábola, para mostrar-lhes a necessidade de rezar sempre, e nunca desistir”, diz o evangelho de hoje. A oração constante é um desafio para o discípulo de Jesus. Porém, é graça e dom que se cultiva. Diferente do juiz desonesto, Deus ouve prontamente seus filhos, mesmo que isso não signifique que o faça nos tempos e nas maneiras que nós queremos, pois a oração não é uma varinha mágica. O escritor e educador Rubem Alves, na crônica A Escutatória, nos dá algumas pistas:

“Para mim, Deus é isto: a beleza que se ouve no silêncio. Daí a importância de saber ouvir os outros: a beleza mora lá também. Comunhão é quando a beleza do outro e a beleza da gente se juntam num contraponto. Ouçamos os clamores dos famintos e dos despossuídos de humanidade que teimamos a não ver nem ouvir. É tempo de renovar, se mais não fosse, a nós mesmos e assim nos tornarmos seres humanos melhores, para o bem de cada um de nós.”

-Termina sua oração falando com Deus sobre a sua dificuldade de compreender o tempo dele, suas demoras e tuas impaciências... Peça ao Senhor a graça da perseverança na oração para que percorras o caminho interior de permanecer na presença de Deus. Não se canse de pedir ao Senhor pela paz no mundo, no seu coração e em nosso país.

- Gloria ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. Assim como era no princípio, agora e sempre. Amém!