Você está em:

03 de abril, 5º Domingo da Quaresma

Baixar áudio
- Hoje é dia 03 de abril, Quinto Domingo da Quaresma.

- No Evangelho de hoje, enquanto Jesus estava no Templo ensinando e uma multidão traz uma mulher pega em flagrante adultério. Conforme a Lei mosaica, ela deveria ser apedrejada como sinal claro de condenação ao erro dela. Fazer isso publicamente era um gesto para que a ordem fosse restabelecida diante de todos. Jesus percebeu algo muito sério nesta inclinação que temos de julgar as outras pessoas. É escandalosa a capacidade do ser humano causar dano aos outros; e dentro desse dano infligido às pessoas, ocupa um lugar de destaque o juízo gratuito, a desqualificação e a condenação. Peça ao Senhor que te ajude a não julgar as pessoas.

- Escuta o Evangelho segundo João, capítulo 8, versículos de 1 a 11.

Naquele tempo: Jesus foi para o monte das Oliveiras. De madrugada, voltou de novo ao Templo. Todo o povo se reuniu em volta dele. Sentando-se, começou a ensiná-los. Entretanto, os mestres da Lei e os fariseus trouxeram uma mulher surpreendida em adultério.
Colocando-a no meio deles, disseram a Jesus: 'Mestre, esta mulher foi surpreendida em flagrante adultério. Moisés na Lei mandou apedrejar tais mulheres. Que dizes tu?' Perguntavam isso para experimentar Jesus e para terem motivo de o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, começou a escrever com o dedo no chão.
Como persistissem em interrogá-lo, Jesus ergueu-se e disse: 'Quem dentre vós não tiver pecado, seja o primeiro a atirar-lhe uma pedra.' E tornando a inclinar-se, continuou a escrever no chão. E eles, ouvindo o que Jesus falou, foram saindo um a um, a começar pelos mais velhos;
e Jesus ficou sozinho, com a mulher que estava lá, no meio do povo.
Então Jesus se levantou e disse: 'Mulher, onde estão eles? Ninguém te condenou?' Ela respondeu: 'Ninguém, Senhor.' Então Jesus lhe disse: 'Eu também não te condeno. Podes ir, e de agora em diante não peques mais.'

- Jesus escuta as acusações sobre a mulher, mas recusa-se a responder no mesmo tom e com a mesma força que os acusadores utilizam. Ele prefere se abaixar, pondo-se simbolicamente à altura daquela que fora rebaixada por seus acusadores a ponto de ter sua morte desejada. Ao invés de condenar, Jesus prefere se aproximar! Ele não contabiliza os pecados, não classifica as pessoas em puras e impuras. Não foi o passado de erros da mulher que determinou a atitude de Jesus para com ela, pois Ele não se deixa determinar pelo passado.
O encontro com Jesus não desperta sentimento de culpa. Jesus faz da misericórdia o verdadeiro evento divino. Onde a Misericórdia encontra espaço ali a vida tem nova chance. Tome consciência desse Deus que deseja estar perto de nós sem qualquer palavra de condenação nos momentos em que mais precisamos.
- “O que é que você não perdoa no outro? O que é que você não consegue perdoar em você mesmo? Que força é esta que te atravessa e que, passando pela justiça, te conduz à misericórdia?

- Disse Jesus 'Eu também não te condeno. Podes ir, e de agora em diante não peques mais.' A proximidade de Jesus à pecadora devolve-lhe a vida que a multidão queria tirar. Ela cometera um equívoco, mas sua vida era mais valiosa que qualquer coisa. A chance de recomeçar nos faz perceber que todas as acusações contra nós perdem força, principalmente por ser Jesus que nos dá essa possibilidade. A poeta Kalliane Amorim nos mostra, em seu poema Kyrie Eleison, como o amor é a melhor lente para compreender Deus:

“Durante muitos séculos, Deus enviou
profetas, mensageiros de seu amor,
para que se lembrassem do “Eu Sou”.

Mas que gente de duro coração!
Suas duras leis roubavam a visão
do verdadeiro amor e da contrição.

Porém Deus não esquece sua aliança,
Pois de amar jamais se cansa:
Se sua mão é justa, sua voz é mansa.”

- Termina sua oração agradecendo ao Senhor por te alcançar com sua proximidade misericordiosa. Jamais permita que a voz da multidão tire de você a chance ou mesmo o desejo de recomeçar.

- Gloria ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. Assim como era no princípio, agora e sempre. Amém!