Você está em:

Missa da Unidade: Convite para fixar os olhos em Cristo

Caravanas de todas as regiões da Arquidiocese de Belo Horizonte chegaram cedo para a Santa Missa da Unidade, nesta quinta-feira, 29 de março. Centenas de padres, diáconos, religiosos e religiosas e os bispos auxiliares também participaram da celebração presidida por dom Walmor.

Segundo dom Walmor, arcebispo de Belo Horizonte: “a Missa da Unidade é a experiência fundamental do Tríduo Pascal, quando nós reavivamos em nossos corações o convite para fixar os olhos em Cristo […] ao chamarmo-nos a fixar o nosso olhar em Cristo, vamos iluminar nossa sociedade descompassada, aquilo que acontece desagradavelmente dentro de nossa Igreja e também para dentro de nós, chamando-nos, sobretudo, num tempo como o nosso, de uma nova sociedade”.

O Arcebispo também lembrou importância da unidade na Igreja: “com essa experiência bonita de renovar em nós a comunhão, como corpo e membros diferentes que somos, de um mesmo corpo. E ao celebrarmos a Ceia Pascal, neste dia, a instituição da Eucaristia e do Sacerdócio, nós somos chamados a reavivar em nós o sentido de pertença a esse corpo e de sermos membros a altura desse corpo. Esse é o nosso enorme desafio, nosso grande e honroso convite”.

Na quinta-feira santa, relembra-se a atitude de Jesus no Lava-Pés, onde lavou os pés de seus discípulos e sobre essa atitude, dom Walmor explicou que: “todos nós devemos ir ao encontro dos que sofrem mais, dos que estão mais distantes de viver a inteireza da sua dignidade, com os pobres. Lava-pés significa exatamente isso, de nos colocarmos na condição de servidores uns dos outros. Por isso é o grande convite de nos aproximarmos, particularmente, dos pobres e das situações de pobreza e lutar para transformá-las”.

Durante a Missa, o Arcebispo abençoou os santos Óleos, que serão utilizados nas celebrações do Crisma, do batismo e da Unção Sacerdotal, onde soprou sobre os Óleos: “Quando abençoo o óleo do Crisma, sopro, exatamente, lembrando que é o Espírito Santo que infunde, sobre aquele óleo, a força do seu Espírito […] quando nós aqui abençoamos os santos Óleos, nós abençoamos, portanto, matéria de Sacramentos, e os Sacramentos são para nós a fonte da graça. E a graça agindo em nós, faz de cada um de nós, instrumentos do amor de Deus é o que nós somos chamados a ser para espalhar a presença amorosa de Deus no coração de nosso mundo.

Dom Walmor fez questão de destacar o trabalho pastoral do Papa Francisco: “O Papa Francisco está colocando, cada dia mais e cada vez mais, a Igreja no horizonte do Evangelho, que é o desafio da Igreja a dois mil anos: ser fiel ao Evangelho de Jesus Cristo. É o que ele quer com seu jeito bom, simples, próximo. É o que nós também queremos ser e assim com Igreja, ajudar o mundo a abrir-se ao amor de Deus e a encontrar os caminhos da fraternidade e da solidariedade. Para isso, precisamos de muita mudança pessoal, muita conversão e, sobretudo, de abertura de mentalidade. Nunca comprometendo absolutamente nada da verdade, do bem e dos princípios inegociáveis do Evangelho, mas uma abertura ao diálogo num mundo plural, num mundo que nos desafia, que nele, nós precisamos, como o Papa Francisco nos ensina, fazer o Evangelho florescer”.