Santuário Arquidiocesano

Ermida da Padroeira de Minas - Basílica da Piedade

08h

15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h

Basílica Estadual das Romarias

Domingo
09h30
11h
16h30

Artigo de dom walmor

Você está em:

Gestão e política melhor

“Política melhor” já é expressão consagrada a partir do Papa Francisco, na sua Carta Encíclica Fratelli Tutti, em um horizonte conceitual com força para qualificar a política. Há um conjunto de esforços e investimentos para encantar a política – isto é, fazer dela, sempre mais, um serviço alicerçado na qualificada cidadania, promovendo dinâmicas que garantam justiça e igualdade, uma compreensão que articule diferenças como riquezas na democracia. Nesta direção, encontra-se a possibilidade de se fazer da política um instrumento para a promoção de valores inegociáveis, defendendo a vida, em todas as suas etapas, da concepção ao declínio com a morte natural. A “política melhor” articula efetivas contribuições para levar o mundo ao desenvolvimento – um lugar da fraternidade entre os povos, com seus segmentos sociopolíticos, que precisam viver e testemunhar a amizade social, conforme sublinha o Papa Francisco na Carta Encíclica.

O Papa Francisco também adverte que, infelizmente, muitas vezes, a política pode dificultar a consolidação do caminho que leva a um mundo diferente. Esse mundo diferente deve ser compreendido como organização social e política capaz de superar cenários de desigualdade social, com investimentos prioritários, dentre outros campos, na educação, na superação de preconceitos e discriminações. Uma nova realidade marcada, ainda, pelo respeito à liberdade religiosa e pela competência na promoção indispensável de valores éticos. Para efetivar esse contexto almejado, torna-se importante considerar o conceito de gestão, no amplo horizonte sobre o que significa a “política melhor”. Essa consideração é especial desafio para governantes e representantes do povo, que precisam oferecer respostas mais assertivas aos problemas enfrentados pela sociedade.

A gestão qualificada, moderna e capaz de levar a significativos resultados inclui muitos princípios importantes, contemplando aqueles que são norteadores, essenciais para evitar que haja submissão à lógica do lucro, em uma economia que mata. Gestão qualificada e moderna não é aquela que simplesmente privilegia o dinheiro, em desfavor da igualdade social. Esse modelo de gestão, na verdade, corre o risco de perpetrar crimes contra a sagrada e inviolável dignidade da pessoa humana. Para além de procedimentos técnicos, da importante dedicação em busca do adequado funcionamento da “máquina administrativa”, é preciso se comover com o rosto sofrido dos pobres, para servi-los prioritariamente. Trata-se de caminho para que todos sejam respeitados em seus direitos e deveres inalienáveis.

Na gestão séria e moralmente respeitável não se pode caminhar de modo insensível em relação aos pobres. A realidade dos que sofrem deve doer na alma de todos os cidadãos e cidadãs, para que ocorra também uma reabilitação ética da política. Os rostos dos pobres, ao serem enxergados com seriedade, revelam à sociedade a direção para o fortalecimento da democracia, por meio de uma economia solidária, de um desenvolvimento integral, sustentável. Assim, os muitos cenários de pobreza não podem simplesmente servir para compor a propaganda eleitoral. A realidade dos pobres deve estar permanentemente nos gabinetes e nas salas de reuniões, para interpelar, dia e noite, aqueles que se submeteram ao voto. A dedicação aos que padecem comprova uma autêntica sensibilidade social, necessária não simplesmente para o funcionamento da máquina pública, mas também na gestão da cultura – que abrange o conjunto de hábitos, valores e práticas relacionadas à interação do ser humano com o seu semelhante, com a natureza e com Deus. A cultura pede, pois, investimentos, de modo semelhante ao que ocorre com outros setores da economia.

Percebe-se a incompetência nos processos de gestão quando a cultura não é reconhecida em sua importância, e o patrimônio cultural, paisagístico e histórico que se herdou de antepassados, construído ao longo de séculos, é tratado com descaso. Perde-se muito pela miopia dos entendimentos que, por vezes, levam à depredação selvagem, ou à indiferença em relação a esse patrimônio, sob o “baldaquino da ilusão” de que um povo pode se desenvolver sem a adequada valorização de seus bens culturais. A consideração da cultura, promovendo patrimônios que fazem parte da identidade de um povo, constitui também critério essencial para se exercer a gestão no horizonte da “política melhor”. Funcione bem a máquina governamental, alicerçados sejam os processos legislativos e administrativos, operadas as reformas indispensáveis e urgentes, a partir de uma profunda sensibilidade em relação aos pobres e de uma interpelante riqueza vinda da cultura – do seu patrimônio histórico, religioso, artístico e paisagístico – para ser edificado um novo tempo.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte
Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

Ilustração: Jornal Estado de Minas