Santuário Arquidiocesano

Ermida da Padroeira de Minas - Basílica da Piedade

08h

15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h

Basílica Estadual das Romarias

Domingo
09h30
11h
16h30

Artigo de dom walmor

Você está em:

O dom sagrado de viver é também tarefa, regida por lógicas que definem o cotidiano de cada pessoa, a vida comunitária, institucional, familiar e religiosa. As lógicas indispensáveis para alicerçar a vida incluem aquelas que se relacionam aos processos de conscientização social e política. Quando são considerados os ataques à democracia percebe-se que há carência de compreensão sobre o exercício da cidadania. E os estreitamentos de mentalidades precisam de oportunos tratamentos, por processos de formação capazes de construir novos entendimentos, distantes das polarizações que fanatizam, desdobrando-se em violência, criando um clima de insegurança e de medo. Sem lúcidos e qualificados processos de conscientização sociopolítica corre-se o risco de não ser priorizado o bem comum. Dentre as consequências está a falta de atenção a relevantes campos, a exemplo da salvaguarda do meio ambiente, com novas lógicas no tratamento da casa comum, e a superação dos vergonhosos cenários de desigualdade social.

Sem adequados processos de conscientização sociopolítica, corre-se sempre o risco de considerar o dinheiro mais importante em relação aos princípios, às perspectivas humanistas ou às soluções vigorosas para a superação da miséria e da exclusão social. O sentido de cidadania precisa contar com investimentos permanentes e consistentes em processos de conscientização social e política. Na contramão desses investimentos, o que se vê é uma estreita compreensão a respeito da cultura, por não se reconhecer que valores e princípios definem projetos e a própria sociedade. Consequentemente são acentuados, dolorosamente, os preconceitos e as crescentes discriminações que impõem pesos e perdas, até irreparáveis, impossibilitando a contribuição indispensável de cada cidadão nos processos de desenvolvimento integral, que permitem o crescimento de todos.

Há de se prestar atenção ao recrudescimento assombroso de discriminações e preconceitos, revelando a carência de processos educativos que favoreçam o reconhecimento do nobre sentido da convivência humana e da construção da sociedade, sobre os alicerces da fraternidade universal e da igualdade entre as pessoas. Providências urgentes devem ser adotadas para que sejam respeitados os padrões e as dinâmicas que garantam a civilidade. Ante essas necessidades, atenção redobrada deve ser dedicada ao atual contexto eleitoral. A responsabilidade cidadã exige qualificação de discursos eleitorais, especialmente quando são consideradas as facilidades tecnológicas no campo da comunicação.  A apropriação de redes sociais como instrumento de desinformação, disseminando notícias falsas para manipular a opinião pública em favor de um determinado projeto político, representa sério risco para a sociedade.

Percebe-se, quando são considerados os muitos problemas no exercício da cidadania, a acentuada carência social de uma formação humana que sustente adequada consciência sociopolítica.  Uma realidade preocupante, que pode ser revertida com a vivência da espiritualidade – isto é, a adoção de uma via mística. Uma via longe, muito longe, dos interesses político-eleitorais de certos segmentos e grupos religiosos que simplesmente almejam conquistar adesões a projetos de poder. Investir na espiritualidade é remédio para curar desequilíbrios, alimento para qualificar o sentido da vida e cultivar no coração humano sentimentos que promovam um discurso sapiencial – aquele que promove a verdade e a defesa do bem. A espiritualidade possibilita uma sabedoria capaz de reconhecer a beleza e o sentido de cada pessoa, inclusive aquela com quem se diverge – todos irmãos e irmãs.

A espiritualidade – experiência de crer no transcendente e, de modo coerente com a fé, buscar constantemente o amadurecimento – possibilita superar descompassos, acertar rumos. Assim, oportuno é acolher o que ensina a preciosa narrativa dos chamados “Padres do Deserto”: “Um irmão perguntou a um ancião: como poderei encontrar Deus? Será pelos jejuns, trabalhos, vigílias ou obras de misericórdia? O ancião respondeu: em tudo o que dizes… especialmente pela humildade”. É hora de mais humildade, para alicerçar a vida no horizonte da espiritualidade.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte
Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

Ilustração: Jornal Estado de Minas