Santuário Arquidiocesano

Ermida da Padroeira de Minas - Basílica da Piedade

08h

15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h

Basílica Estadual das Romarias

Domingo
09h30
11h
16h30

Artigo de dom walmor

Você está em:

Agenda social e ecologia

A consciência da forte vinculação entre agenda social e ecologia está crescendo, mas ainda é insuficiente. O reconhecimento desse vínculo é importante interpelação da Carta Encíclica Laudato Si’ – sobre o cuidado com a Casa Comum, do Papa Francisco. O documento evidencia: a degradação ambiental relaciona-se também, e de modo determinante, com a deterioração da vida humana. Consequência dos estilos de vida agressivos, indiferentes e predatórios no planeta. Assim, a pauta da ecologia integral precisa se destacar na agenda social, contemplando seus vários aspectos, com ricas abordagens, para que sejam efetivadas profundas transformações. O ser humano é uma criatura deste mundo, com o direito de viver e de ser feliz, ancorado na sua especial dignidade, tão ferida com a degradação ambiental. Não se pode mais desvincular a dimensão social da vida das amplas questões ambientais, pois tudo está interligado.

Assim, por exemplo, o modo como são tratados os territórios influencia a vida das famílias. A depredação ambiental irracional, movida por uma ganância sem limites pelo lucro, é também responsável pela desigualdade planetária, conhecida por todos. E as perdas no ambiente natural impactam o contexto social, com os pobres e mais frágeis pagando preço mais alto, conforme indicam diversos estudos científicos. O Papa Francisco, neste horizonte, expressa preocupação pela falta de consciência sobre os problemas que ameaçam, particularmente, os excluídos, que constituem a maior parcela da humanidade.  Os problemas sociais e as fragilidades que impactam a realidade dos pobres precisam de lugar preponderante na pauta ecológica, interagindo com a agenda social. Não é adequada a abordagem ambiental tendo em vista um progresso meramente lucrativo, sem compromisso com o desenvolvimento integral.

É inadequado aquele desenvolvimento que gera riqueza apenas para os mais ricos, em desfavor dos pobres, acentuando as vergonhosas desigualdades sociais. As consequências dessa ilimitada e predatória busca pelo lucro, em benefício de poucos, são o agravamento dos flagelos da fome, da indisponibilidade de água potável para todos, dentre outras privações de muitos bens essenciais à vida. Reações mais vigorosas precisam emergir a partir das interfaces inteligentes entre a agenda social e a pauta ecológica, para superar esses cenários. Ora, os gemidos da mãe terra unem-se aos clamores dos abandonados do mundo, reclamando um novo rumo, diz o Papa Francisco. Há de se promover uma cultura humanística, alicerçada em lastros de sensibilidades social e ecológica, para o adequado enfrentamento da crise atual.

Não são suficientes as alianças entre as tecnologias e a economia, ignorando perversa e indiferentemente o bem comum. Compreenda-se que guerras novas estão sendo geradas pelo esgotamento de recursos, urgindo o despertar de novas lógicas, alcançadas a partir da conjugação entre o campo social e a dimensão ecológica. Parta-se da convicção, envolvendo crentes e não-crentes, de que a Terra é uma herança comum, cujos frutos, sublinha a Laudato Si’, devem beneficiar todas as pessoas. A Carta Encíclica ainda lembra que, para os crentes, cultivar esta convicção é sinal de fidelidade ao Criador, porque Deus criou o mundo para todos. A Doutrina Social da Igreja Católica ensina que toda abordagem ecológica deve integrar uma perspectiva social, tendo em vista os direitos fundamentais dos mais desfavorecidos. O direito universal aos bens gerados pelos recursos naturais é “regra de ouro” para orientar o comportamento humano, sendo o primeiro princípio de toda ordem ético-social.

Oportuno é estudar a Carta Encíclica Laudato Si’, que em seu 4º capítulo dedica-se ao sentido de ecologia integral, envolvendo, articuladamente, as dimensões social, ambiental, econômica e cultural. Estudar a Carta Encíclica consolida a compreensão inquestionável sobre a incidência dos problemas ecológicos nos cenários das desigualdades sociais. O ponto de partida para se efetivar um desenvolvimento integral, em benefício de todos, é a consideração fundamental de que a busca por soluções para os problemas enfrentados pela humanidade deve considerar as interações entre os sistemas naturais e a ordem social. Os contextos da política e dos empreendedores, também do judiciário, em união com o exercício da cidadania estão desafiados a compreender melhor essas interações:  um mar a ser navegado com horizontes favoráveis à vista, a interrelação entre a agenda social e a pauta ecológica.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte
Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

 

Ilustração: Jornal Estado de Minas