Santuário Arquidiocesano

Ermida da Padroeira de Minas - Basílica da Piedade

08h

15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h

Basílica Estadual das Romarias

Domingo
09h30
11h
16h30
Você está em:

Dom Walmor sobre a mineração nas serras do Curral e da Piedade: “Nova compreensão precisa inspirar o poder público”

O arcebispo de Belo Horizonte dom Walmor Oliveira de Azevedo, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), disse em suas redes sociais que “a autorização para empreendimento minerário na  Serra do Curral é grave indicativo de que nova compreensão ambiental precisa inspirar o poder público”. Conforme explica o Arcebispo, a Serra da Piedade e a Serra do Curral são patrimônios com valor que não pode ser mensurado pelo dinheiro, a partir da lógica do lucro e da produção que buscam apenas o enriquecimento de poucos em prejuízo do bem comum.”

A seguir, o texto completo publicado por dom Walmor:

“A autorização para empreendimento minerário na Serra do Curral, risco para seu bioma essencial, raro e indispensável como garantia de recursos imprescindíveis à vida das pessoas, especialmente na Capital Mineira e em sua Região Metropolitana, é grave indicativo de que nova compreensão ambiental precisa inspirar o poder público. A questionável decisão do Conselho Estadual de Política Ambiental (COPAM) causa estranheza e perplexidade, mais uma vez, e precisa inspirar uma reação profética e lúcida por parte do conjunto da sociedade mineira. Recentemente, o mesmo conselho autorizou a retomada da atividade minerária na Serra da Piedade, já tão ferida por irresponsabilidades do passado. A Serra da Piedade e a Serra do Curral são patrimônios com valor que não pode ser mensurado pelo dinheiro, a partir da lógica do lucro e da produção que buscam apenas o enriquecimento de poucos em prejuízo do bem comum. Os sacrifícios impostos a esses grandes dons naturais, em benefício de pequenos grupos, repercutem negativamente na existência de muitos seres vivos, principalmente das pessoas, das populações que habitam nossas cidades.  Esses sacrifícios são, pois, mais que desrespeito ao bem comum. Constituem afronta ao equilíbrio natural, às leis de Deus. É hora, urgentemente, de nova lógica para o desenvolvimento integral em favor de todos.”

VEJA TAMBÉM