Santuário Arquidiocesano

Ermida da Padroeira de Minas - Basílica da Piedade

08h

15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h
09h
15h

Basílica Estadual das Romarias

Domingo
09h30
11h
16h30
Você está em:

[Artigo] A vida iluminada pela vida de Cristo em nós – Neuza Silveira

A cada ano fazemos a experiência de nascer de novo, ou deixar-se nascer com Cristo em nossa vida. Ele, o Espírito Santo, que nos foi deixado por Jesus em nós, caminha conosco em nossa missão, nos ajudando a dar continuidade à missão de Jesus no mundo.

Esta é a nossa missão de catequistas. Missão de todos nós que, a cada ano, somos chamados a nos deixar guiar para que a vontade de Deus aconteça na vida das pessoas. Temos Jesus como modelo e as primeiras comunidades, ajudadas pelos apóstolos, como experiências de que caminhar com Jesus faz acontecer o reinado de Deus na terra: viver o amor, a justiça, a alegria, a partilha, a fraternidade e a esperança. Assim como as primeiras comunidades, vamos refletir e descobrir a mensagem que a Palavra nos oferece; meditá-la no coração e dar a resposta de nossa fé, transmitindo essa mensagem aos outros.

Façamos o percurso com fidelidade à Aliança com Deus

Feita a experiência do nascer com o menino Deus, experiência da encarnação de Jesus no meio de nós, recomeçamos o novo ano nos preparando para a acolhida dos nossos catequizandos, fortalecendo nossos laços de amizade, de relações fraternas com eles, relações de fidelidade que torna forte a nossa aliança de amor com Deus, pois o amor de Deus pela pessoa humana é a sua aliança fiel. Aliança que é sinal de compromisso e de vida.

Quando falamos de Aliança com Deus somos transportados lá para as nossas origens e fazemos memória da nossa criação. Deus nos criou à sua imagem e semelhança e aqui nesse reinado devemos trabalhar para não se deixar vencer por tudo aquilo que pode nos distanciar de Deus. Quem nos ajuda nessa batalha é o Espírito Santo. No diálogo de Jesus com Nicodemos, fala-se de nascer de novo, isto é, nascer da água e do Espírito (Jo 3,5-6). João usa do simbolismo entre a água e Espírito das origens da criação (Gn 1,2) para falar desse novo nascimento, não da carne, mas do espírito. À imagem da água como símbolo do Espírito, une-se à do vento, que, como o Espírito, não se sabe de onde vem nem aonde vai (Jo 3,8). O que sabemos é que o Espírito nos dá a força de Cristo para o nosso caminhar.

No dia do nosso batismo, ao recebermos a unção com o óleo santo, o sacerdote diz: “Que a força de Cristo penetre em sua vida, como este óleo em teu peito”. Assim, como Jesus foi ungido pelo Espírito (Mt 27,12), aquele a quem Deus ungiu com o Espírito Santo e que passou pelo mundo fazendo o bem e libertando os oprimidos (At 10,38), assim também nós, cristãos, recebemos a unção do Espírito, que nos instrui interiormente (1Jo 2,20.27; cf. Jo 14,26), e nos capacita para dar continuidade à missão de Jesus e cumprir o seu ordenamento: “Ide a todas as nações, anunciai o Evangelho e batizai a todos em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”.

É com este Espírito santificador que nós catequistas, aos poucos, vamos retomando a nossa catequese, nossas celebrações, sempre sob a Luz do Cristo ressuscitado que ilumina nossa caminhada e nos impulsiona para as periferias existenciais, lugar do encontro com Deus e com os irmãos.

Neuza Silveira de Souza

Coordenadora do Secretariado Arquidiocesano Bíblico-catequético de Belo Horizonte

VEJA TAMBÉM