Santuário Arquidiocesano

Catedral Cristo Rei

08h
- Missa

10h30
- Missa
17h
- Missa
Você está em:

Minuto pela Paz está em suas mãos

Parar um minuto, escrever em sua mão uma palavra pequena, mas tão grande em significados: “paz”. Depois é só  compartilhar. Qualquer que seja a nossa crença, somos convidados a levantar os olhos para o Céu e rezar juntos, como irmãos, pela paz. A iniciativa “Um minuto pela paz”, promovida pelo Fórum Internacional de Ação Católica (FIAC), busca semear esperança, harmonia e despertar as consciências diante de uma humanidade marcada pela tragédia e pela dor.

“A paz é possível, a paz é necessária, a paz é a principal responsabilidade de todos!” Este é um dos muitos apelos de paz do Papa Francisco, neste caso, pronunciado na benção Urbi et orbi, no último dia 17 de abril, no domingo de Páscoa. A iniciativa “Um minuto pela paz”, procura responder a todos eles.

Oração em todo o mundo

Nessa quarta-feira, em todos os lugares do mundo – católicos, cristãos de diferentes confissões, crentes de diferentes religiões, homens e mulheres de boa vontade – foram convidados a fazer uma pausa de um minuto e rezar juntos pela paz. Os pensamentos vão em particular para a Ucrânia, mas também para tantos lugares martirizados por conflitos ainda ativos e que, como o próprio Francisco pediu, não podemos esquecer.

A Ação Católica Internacional propôs na América Latina escrever a palavra “Paz” em sua mão, tirando uma foto e carregando-a para redes sociais, usando uma hashtag relacionada, como “Somos missão” ou “Semear esperança”.

Dê uma mão para a paz

Rafael Angel Corso,  coordenador da Ação Católica Internacional, em entrevista  para a Rádio Vaticano – Vatican News  informou que este ano a campanha tem como tema:  “Dê uma mão para a paz”.  Oferecer a mão pela paz é um convite a cada um de nós: “Darmos nossas mãos pela paz é uma necessidade imperativa. É um gesto que, neste momento, nos convida a pensar e compartilhar em solidariedade com a dor de tantos irmãos,  que hoje estão sendo submetidos tanto à dor da guerra quanto à dor do autoritarismo”.

 

VEJA TAMBÉM