Santuário Arquidiocesano

Catedral Cristo Rei

08h
- Missa

10h30
- Missa
17h
- Missa
Você está em:

Dom Walmor abençoa imagem de Nossa Senhora da Piedade na Catedral Cristo Rei

O arcebispo dom Walmor Oliveira de Azevedo presidiu a bênção com a coroação da imagem de Nossa Senhora da Piedade – Padroeira de Minas Gerais, obra do artista mineiro Guilherme Marques, e que passa a integrar o conjunto arquitetônico da Catedral Cristo Rei, na manhã deste sábado, 30 de julho. A imagem poderá ser vista em diversos pontos da Avenida Cristiano Machado, um emocionante convite para vivenciarmos a fé:  “Essa imagem de Nossa Senhora da Piedade da Catedral Cristo Rei é uma obra de arte e, ao mesmo tempo, abre para nós uma escola que renova o permanente convite: Seguir Jesus Cristo”, disse dom Walmor.

Ao som da Orquestra do Corpo de Bombeiros, os fiéis se emocionaram ao ver pela primeira vez a imagem em bronze. Priciane Rocha, analista comercial, de Betim, expressou o seu sentimento: “Quando o manto foi retirado e vi a imagem da Padroeira de Minas Gerais,  fiquei impressionada com os detalhes e o capricho. Minha mãe faleceu há seis meses e era devota de Nossa Senhora da Piedade. Para mim é uma honra participar desse momento.”

Obra de arte feita em bronze, a imagem de Nossa Senhora da Piedade – Padroeira de Minas Gerais, da Catedral Cristo Rei, pesa mais que um automóvel: tem 2,5 toneladas -, com quatro metros de comprimento por três metros de altura. É inspirada no ícone de Nossa Senhora da Piedade, do século 18, do mestre Aleijadinho, e que está no altar da Ermida da Padroeira de Minas Gerais – menor basílica do mundo, ponto mais alto do Santuário. As montanhas de Minas Gerais também inspiraram o escultor Guilherme Marques na realização de sua obra.

A bênção solene, com a apresentação da imagem de Nossa Senhora da Piedade que ficará diante da Catedral Cristo Rei, ocorre em contexto especial: no dia 31 de julho são celebrados os 62 anos da consagração de Minas Gerais a Nossa Senhora da Piedade, após ser reconhecida a Padroeira do Estado por São João 23, Papa da Igreja Católica, no ano de 1958. A Festa que rememora este reconhecimento é tradicionalmente vivida pelos fiéis no Santuário da Padroeira de Minas Gerais, no alto da Serra da Piedade, mas, neste ano, será também celebrada na Catedral Cristo Rei, com programação especial, integrando fé, arte e cultura.

Edificação da Catedral Cristo Rei

Planejada há quase 100 anos para ser a Igreja-Mãe da rede de comunidades de fé da Arquidiocese, a Catedral Cristo Rei começou a ser construída em 2013, a partir de um projeto novo, adequado a este momento da história, a partir concepção do arquiteto Oscar Niemeyer. Assim, a infraestrutura da Catedral, além de receber momentos de espiritualidade, é dedicada ao cuidado com os pobres, a iniciativas educativas e culturais. A obra, possível graças à solidariedade, concentra-se atualmente no templo da Catedral, chamado de Tenda da Paz, e que deve ser concluído ainda este ano. Com o avanço dos trabalhos, a Catedral Cristo Rei já recebe importantes iniciativas de amparo aos pobres e celebrações especiais.

Programação

A entrada da Catedral Cristo Rei fica na Rua Campo Verde, 165. Bairro Juliana, com estacionamento à disposição de todos.

8h30 – Terço Cantado pelo padre Joãozinho, um dos mais renomados cantores católicos da atualidade.
9h – Reflexão: A paz que Jesus nos manda levar, com o Irmão Afonso Murad
9h50 – Bênção e coroação da imagem de Nossa Senhora da Piedade, participação da Banda Sinfônica do Corpo de Bombeiros
10h10 – Reflexão: A paz que é fruto do espírito, com o frei Jonas Nogueira
10h40 – Reflexão: A paz que o Pai nos dá, com o padre Joãozinho
11h15 – Mesa redonda: Nossa Senhora da Piedade no seio da Trindade, com o padre Evandro Campos Maria
12h – Almoço no Convivium Cristo Rei – restaurante da Catedral
15h – Terço perpétuo e Missa, com a participação dos grupos Terço dos Homens
18h – Momento cultural “Grandes Vozes na Catedral”, com reflexão conduzida pelo padre Luís Henrique Eloy e Silva e apresentação musical reunindo o tenor Matheus Pompeu e o pianista Wagner Sander (ingressos via Sympla).

VEJA TAMBÉM