Santuário Arquidiocesano

Catedral Cristo Rei

08h
- Missa

10h30
- Missa
17h
- Missa
Você está em:

[Artigo] A Palavra de Deus – Ponto de partida para a evangelização- Neuza Silveira de Souza

Tomando como fundamento da nossa evangelização catequética, a Palavra de Deus e as Diretrizes da nossa Arquidiocese para a elaboração dos planos pastorais, somos convidados a assumir os compromissos propostos conforme as necessidades de cada comunidade paroquial, atentas à cada realidade distinta que formata sua identidade. Motivados pela palavra do Apóstolo Paulo que diz em sua carta aos Coríntios (1Cor 9,16): “Ai de mim se eu não anunciar o Evangelho” somos interpelados a sermos discípulos e discípulas e vamos construindo nosso itinerário como testemunhas do Ressuscitado, trabalhando para que sua Palavra seja conhecida.

A Palavra de Deus e o anúncio dos primeiros discípulos devem ser vividos no cotidiano de nossas vidas, na família, nas escolas, no trabalho, nas vizinhanças, ou seja, no convívio interno dos nossos lares e nas periferias do nosso ethos (ambiente, morada do homem, lugar que indica quais os traços característicos de um grupo humano qualquer que o diferenciam de outros grupos sob os pontos de vista social e cultural). Nesses ambientes, nos quais se constroem a identidade social, somos convidados a assumir os compromissos de evangelizadores e levar o anúncio de Jesus Cristo para as nossas catequeses, nossas comunidades, colocando a Palavra de Deus como eixo central de toda ação pastoral, evangelizadora e missionária da Igreja.

Como evangelizar em nossas realidades
Olhando ao nosso redor e observando os sinais que nos apontam os caminhos devemos percorrer, somos chamados, enquanto catequistas, a ajudar os nossos catequizandos, mas também nossas famílias e nossas comunidades a fazer a experiência do encontro pessoal com Jesus Cristo.

Através de Jesus Cristo, Deus se revela a nós, se dá a conhecer. É Jesus que nos comunica tudo o que ouviu do Pai e assim ele nos convoca para transmitir tudo o que ouvimos dele aos outros e à Igreja, pois como membro da Igreja, cada cristão tem o poder de revelar o amor de Deus, de amar e dar tudo de si àqueles que ama, assim como fez Jesus. Essa é a nossa missão de catequista.

Conectados ao projeto de Jesus Cristo
Vamos trabalhar conforme as necessidades e prioridades de cada comunidade. Caminhar juntos, colocar nossas experiências a serviço de nossos irmãos e construir redes de comunidades como espaços privilegiados de vivência de comunhão fraterna, conforme o proceder de Jesus. Assim como Jesus, vamos nos aproximar daquelas realidades onde, a olhos nus, enxergamos a pobreza e as injustiças e oferecer o que sabemos fazer –  praticar solidariedade.

Na prática das nossas ações, vamos olhar para as nossas crianças, acolhe-las assim como Jesus fez cientes de que com elas somos capazes de perceber a ternura de Deus, a beleza do universo e singeleza do agir cristão. Pensemos também no adulto, na vivência da fraternidade e oferecer uma palavra criadora, que salva, solidária com os pobres para promovê-los a um estado de dignidade e libertação para todos. Procurar formar pessoas adultas na fé e na responsabilidade, assumindo a realidade e se abrindo ao diálogo.

Vamos inaugurar um novo tempo com nossas catequeses querigmáticas para suscitar e fortalecer a fé no Cristo Jesus, centro da nossa fé trinitária.

Mas o que é uma catequese querigmática? Falar de catequese querigmática é falar do primeiro anúncio sobre Jesus Cristo. É anunciar a Boa Nova do Evangelho colocando Jesus no centro da Catequese. Querígma é uma palavra do Novo Testamento, usada com o significado de mensagem, anúncio ou proclamação. Quer dizer: “Primeiro anúncio das verdades da fé” A boa nova do Evangelho – anunciar Jesus Cristo em toda sua inteireza. Acreditar no Evangelho, refere-se em primeiro lugar à confiança no anúncio da chegada do Reino e naquele que o anuncia – Jesus.

O primeiro anúncio pode ser encontrado na Bíblia, em Atos dos Apóstolos: (At2,14-41; 3,12-26; 10,37-43; 13,16-47). Em síntese nos diz: Segundo as Escrituras, Jesus de Nazaré foi morto, ressuscitou, subiu aos céus e está sentado à direita de Deus Pai. Essa é o centro da nossa fé cristã. Também encontramos o primeiro anúncio na Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios: (1Cor15,3-5) – “De fato, eu vos transmiti, antes de tudo, o que eu mesmo recebi, a saber: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, foi sepultado e, ao terceiro dia, foi ressuscitado, segundo as Escrituras; e apareceu a Cefas (Pedro) e, depois aos Doze”.

Tendo Jesus como fundamento da nossa fé, ele é aquele que nos propõe e não nos impõe. Cativados pela sua Boa-Nova, seu Evangelho, nós nos colocamos no seu seguimento. Seguir Jesus é o fundamento essencial e original da nossa vida cristã: como o povo de Israel seguia Deus, que o conduzia no deserto rumo à Terra prometida (cf. Ex 13,21), assim o discípulo deve seguir Jesus, para o qual é atraído pelo próprio Pai (cf. Jo 6,44).

Neuza Silveira de Souza
Coordenadora do Secretariado Arquidiocesano Bíblico-Catequético de Belo Horizonte

VEJA TAMBÉM