Retiro espiritual traduzido em Libras

A Pastoral do Surdo da Arquidiocese de Belo Horizonte encerrou a celebração do “Setembro Azul”, mês dedicado à comunidade surda, com um retiro espiritual todo traduzido em Libras, a Língua Brasileira de Sinais. Cerca de 70 pessoas participaram de dinâmicas, palestras e orações com o tema “Dia do Surdo com Jesus”. A cor azul, está relacionada ao sofrimento dos surdos na II Guerra, por ter sido utilizada pelos nazistas para identificá-los nos campos de concentração.

Segundo o capelão da Pastoral na Arquidiocese de Belo Horizonte, padre Wagner Douglas, a iniciativa tem por objetivo promover a inclusão na ação evangelizadora da igreja e o aprofundamento na fé. Foram convidados para partilhar experiências e conhecimentos durante esse importante evento de formação o bispo auxiliar da Arquidiocese de BH, dom Otacilio Ferreira de Lacerda; o Vigário Episcopal para Ação Social e Política, padre Júlio Amaral e o padre Wagner Douglas.

A Irmã Maria Aparecida, religiosa que é surda, viajou de Londrina, no Paraná, a Belo Horizonte, para participar do encontro e compartilhar sua vivência no serviço a Deus e à Igreja. Wagner Serafim, que também é surdo e mora em São Paulo (SP), partilhou com os participantes suas experiências.

Bruna Aguiar, Coordenadora dos ministros da Pastoral do Surdo na Arquidiocese de Belo Horizonte

“Foi um dia de emoções e aprendizado, com palestras,músicas e dinâmicas, tudo em LIBRAS, nos proporcionando acessibilidade total. Encontros como esse ,são muito importantes para a comunidade surda católica, pois aprendemos profundamente a palavra de Deus. É impossível um mundo digno sem o conhecimento de Deus, e menos ainda sem ter comunhão com nosso senhor Jesus Cristo , o que esse encontro nos proporcionou . Nos sentimos honrados de participar desses momentos, disse Bruna Aguiar, Coordenadora dos ministros da Pastoral do Surdo na Arquidiocese de Belo Horizonte”.

Em setembro, várias atividades foram realizadas pela Pastoral, no sentido de fortalecer a espiritualidade da comunidade surda, a exemplo do Encontro de Formação de Interprétes e Tradutores da Língua de Sinais, no Convivium Emaús, que reuniu 16 interpretes de Libras, e da Missa celebrada no sábado seguinte ao Dia do Surdo, comemorado em 26 de setembro. O trabalho da Pastoral do Surdo recebeu destaque especial com homenagem prestada pela Câmara Municipal de BH.

Pastoral do Surdo da Arquidiocese de BH recebe homenagem da Câmara Municipal

Durante todo o ano, a comunidade surda, na Arquidiocese de Belo Horizonte, se reúne para celebrar a Eucaristia aos sábados, sempre às 17h30, na Capela Bom Pastor do Colégio Santa Maria Minas – Unidade Nova Suíça. Toda liturgia é adaptada em função das necessidades especiais dos fiéis, que fazem as leituras e cantam na língua de sinais. Tudo é traduzido para o português por um intérprete. Assim, muitos ouvintes – parentes, amigos dos surdos e vizinhos do colégio – também participam, criando um ambiente propício à integração familiar e social do surdo.

Mas o movimento no colégio inicia-se bem antes da Missa. A partir das 15h, começam o encontro dos jovens surdos e as catequeses de preparação para o Batismo, Primeira Eucaristia, e Crisma, atividades desenvolvidas por meio da Língua Brasileira de Sinais.

Com o objetivo de contribuir para o fortalecimento desse trabalho de evangelização na comunidade surda e para a integração do surdo nos mais diversos setores da sociedade, a Pastoral do Surdo mantém um curso de Libras ministrado no Vicariato para a Ação Social da Arquidiocese de BH. O curso nos níveis básico, intermediário e avançado é considerado um dos melhores cursos ministrados na Capital Mineiro. Os interessados podem se informar pelo telefone (31) 3426-8552 ou e-mail: pastoraldosurdodebelohorizonte@yahoo.com.br.

VEJA TAMBÉM