Você está em:

Pastoral do Surdo promove a inclusão social

As aulas do curso de formação em Língua Brasileira de Sinais (Libras), destinadas a pessoas surdas, foram concluídas no mês de novembro. A iniciativa foi uma das principais ações desenvolvidas pela Pastoral do Surdo da Arquidiocese de Belo Horizonte em 2016 e teve como um de seus alunos o senhor José Aparecido de Souza Costa, de 39 anos. Desde o primeiro ano de vida, como consequência de uma enfermidade, José Aparecido convive com a surdez. E se já não bastassem as dificuldades enfrentadas por causa dessa condição, uma doença na retina limitou drasticamente a sua visão, aos 15 anos de idade. Durante a noite, José Aparecido tem ainda mais dificuldade para enxergar, inclusive para interpretar os gestos que integram a Libras.

Para conseguir melhor se comunicar com o próprio filho, a senhora Maria Madalena de Souza Costa decidiu procurar o auxílio da Pastoral do Surdo da Arquidiocese de Belo Horizonte. Depois, tornou-se voluntária dessa Pastoral. Hoje, ela contribui para difundir a Língua Brasileira de Sinais. “A Libras rompe barreiras de comunicação e contribui para a inclusão social”, explica a mãe de José Aparecido, entusiasmada com a dedicação do filho, durante todo o curso promovido pela Pastoral. “Ele quer ajudar pessoas que também convivem com essa grande dificuldade. Tenho certeza de que será um grande instrutor”, diz.

A carga horária do curso promovido pela Pastoral do Surdo é de 120 horas e os alunos participam de aulas práticas e teóricas, com teatro, música e contação de histórias. A interação entre as pessoas e a diversidade de ações contribui para a fixação do conteúdo. Além do curso de Libras, a Pastoral do Surdo, criada em 1992, prepara celebrações e momentos de espiritualidade; investe na formação cristã da pessoa surda, preparando-a para receber os sacramentos do Batismo, Eucaristia, Crisma e Matrimônio. Também promove momentos de sociabilidade, com programação cultural e de lazer, favorecendo a integração da comunidade surda.

Com esses trabalhos, a Pastoral evangeliza as pessoas surdas e, ao mesmo tempo, as ajuda na superação de dificuldades, capacitando-as para contribuir na construção de uma sociedade justa, fraterna e solidária. Em janeiro de 2016, a Pastoral do Surdo da Arquidiocese de Belo Horizonte organizou, na Capital Mineira, o Encontro Nacional da Pastoral do Surdo (Enapas) e o Encontro Nacional dos Intérpretes Católicos (Encicat). Os eventos nacionais buscaram caminhos para o fortalecimento das comunidades de fé e o desenvolvimento da Pastoral do Surdo em diferentes regiões. Também objetivaram incentivar a formação de voluntários para trabalharem durante as Missas, possibilitando que pessoas surdas possam também vivenciar, de modo pleno, as Celebrações Eucarísticas.

VEJA TAMBÉM