Evangelização e acolhimento: quase um ano após tragédia, Arquidiocese de BH continua prestando auxílio a Brumadinho

Dia 25 de janeiro completa um ano do rompimento da barragem de rejeitos em Brumadinho, que fez mais de 270 vítimas. Desde a tragédia, a Arquidiocese de Belo Horizonte vem desenvolvendo um conjunto de ações em apoio aos atingidos: acolhida espiritual à população em velórios, nos lares, dedicação permanente aos familiares por meio da escuta, orientação, conforto e incentivo; doação de cestas básicas, roupa, material escolar, itens de higiene.  Somente nos três primeiros meses após a tragédia, foram realizados 810 atendimentos.

Os trabalhos, a partir da Pontifícia Universidade Católica de Minas (PUC Minas) e o Vicariato para a Ação Social e Política – e a Defensoria Pública da União (DPU), foram planejadas a partir dos seguintes eixos: educação, gestão, assessoria jurídico-contábil, amparo psicossocial e sócio comunitário, saúde animal, saúde humana e socioambiental.  A partir do segundo semestre de 2019, as iniciativas beneficiaram 2300 pessoas diretamente e 12.800 indiretamente.  A iniciativa é integrada ainda aos trabalhos desenvolvidos pelas comunidades de fé da Paróquia São Sebastião de Brumadinho.

O bispo auxiliar dom Vicente Ferreira é uma das pessoas que vem se dedicando, dia e noite, ao amparo espiritual das famílias, visitando lares e presidindo momentos de oração em velórios. O arcebispo dom Walmor Oliveira de Azevedo, padres, diáconos, seminaristas, religiosos e voluntários, de diferentes cidades, também se uniram à população que sofre com a tragédia, na ampla campanha Juntos por Brumadinho.

Em maio de 2019, por exemplo, dom Walmor presidiu o seminário “A mineração e o cuidado com a Casa Comum”, reunindo representantes dos vários setores da sociedade para refletir sobre a missão da Igreja Católica na defesa da Casa Comum e seu necessário posicionamento para uma urgente revisão do modelo econômico extrativista.

O evento, realizado na PUC Minas,  teve também por objetivo divulgar a posição da Igreja, a fim de orientar a opinião pública e apoiar as comunidades, grupos e movimentos que se dedicam à defesa dos territórios ameaçados,  além de apresentar ao Vaticano o impacto da tragédia sobre a população de Brumadinho e as contradições da mineração em Minas e no Brasil.

O Seminário foi organizado pela arquidiocese de Belo Horizonte e a Rede Igrejas e Mineração – uma plataforma ecumênica que integra diferentes Igrejas na América Latina, unidas na missão de amparar comunidades impactadas pela mineração, a exemplo do ocorrido com as populações de Mariana, em 2015, e de Brumadinho, em janeiro de 2019.

Já em junho de 2019, um grupo de aproximadamente 30 bispos visitou a comunidade de Parque das Cachoeiras, em Brumadinho. O local foi um dos mais atingidos pelo rompimento da barragem com rejeitos de mineração da Vale. Os bispos integram o regional Leste 2 da CNBB, que abrange os estados de Minas Gerais e do Espírito Santo. Durante a visita, eles vivenciaram momento de oração com a comunidade, no ponto mais atingido pela lama. Em seguida, se reuniram na Igreja São Judas, para um momento de celebração com os voluntários que se dedicam à comunidade.

Ainda em junho os seminaristas do Propedêutico, 2° e 3° ano de Filosofia e 2° a 4° ano de Teologia do Seminário Arquidiocesano Coração Eucarístico de Jesus fizeram missões em Brumadinho. Eles visitaram famílias, rezaram juntos e partilharam experiências. No mesmo mês, a PUC Minas apresentou em Brumadinho, no dia 29, projetos vinculados ao programa de extensão da universidade. O encontro reuniu alunos, professores, funcionários das duas instituições e pessoas da comunidade de Brumadinho, no Santuário Nossa Senhora do Rosário.

O objetivo foi discutir estratégias de fortalecimento das comunidades atingidas pelo rompimento da barragem da mina do Córrego do Feijão. Os projetos estão inseridos nos seguintes eixos temáticos: jurídico-contábil; educativo/lúdico; gestão; psicossocial e sociocomunitário; veterinária; saúde humana; e socioambiental.

Também em 2019 a comunidade de Brumadinho recebeu um presente do Papa Francisco: uma réplica de sua cruz peitoral, entregue pelo monsenhor Bruno Marie Duffè , enviado do Papa, como sinal de sua solidariedade e preocupação com as vítimas do rompimento da barragem no Córrego do Feijão. Essa cruz passou pelas casas das famílias das comunidades de Brumadinho. Em visita à comunidade de Córrego do Feijão, o representante do Papa Francisco ouviu testemunhos das pessoas que perderam familiares e seus meios de sobrevivência, em consequência do rompimento da barragem.

1ª Romaria Arquidiocesana pela Ecologia Integral a Brumadinho

Este ano, na data em que se completa um ano do rompimento da barragem, no dia 25 de janeiro, a Arquidiocese de Belo Horizonte realizará a “1ª Romaria Arquidiocesana pela Ecologia Integral a Brumadino”.

A iniciativa será um importante momento de oração e partilha, no horizonte da promoção da ecologia integral e em solidariedade às vítimas. A programação começa às 8h, com a Celebração da Palavra, em Brumadinho. Dom Walmor presidirá a Santa Missa, às 17h. A programação inclui apresentações culturais e momentos de partilha, espiritualidade e oração.

Iniciativas após o segundo semestre de 2019

  • Empreendedorismo como Estratégia de Desenvolvimento em Brumadinho: assessoria a pequenos empreendedores;
  • Acolhimento e orientação jurídica, em parceria com a Defensoria Pública da União;
  • Previdência rural: assessoria jurídica a pequenos agricultores na Comunidade das Pastorinhas;
  • Projeto Integrado de Educação em Saúde: orientação à comunidade sobre bem-estar;
  • Oficinas e encontros psicossociais na Comunidade Pires, Aldeia Pataxó, Quilombo Sape e Acampamento Pátria Livre, com o objetivo de resgatar a autoestima de moradores;
  • Serviço de Atendimento Jurídico Itinerante: oficinas sobre direitos previdenciários, trabalhistas, sucessórios e das famílias. Será elaborada cartilha sobre as principais dúvidas;
  • Orçamento Familiar e Gestão Financeira: assessoramento às famílias a partir dos fundamentos da economia solidária;
  • Oficinas de Comunicação para Jovens da Escola Estadual Paulina Aluotto Ferreira, para capacitá-los a preservar a memória de suas comunidades;
  • Assessoria Jurídico-Contábil para Análise dos Cálculos das Indenizações das Famílias Atingidas – encontro realizado na Escola Estadual Abelardo Duarte Passos, em Melo Franco (Brumadinho);
  • Reciclagem Solidária e Inclusiva: fortalecimento da inclusão social por meio de serviços ambientais urbanos – campanhas sobre a importância do trabalho dos catadores de material reciclável para a cidade;
  • Desenvolvimento de propostas para empresas sociais em Brumadinho – o objetivo é ajudar os moradores da cidade a empreenderem e gerarem novas formas de emprego e renda;
  • Escola Livre de Formação – palestras e oficinas desenvolvidas a partir de demandas da comunidade;
  • Discussões colaborativas de planejamento e gestão ambiental urbano para recomendações ao Plano Diretor do Município de Brumadinho – encontros organizados no bairro São Conrado com o apoio da Associação da comunidade.
  • Diagnóstico situacional, educação para saúde, vigilância, controle vetorial e zoonoses – oficina de produção de repelente do Aedes aegypti, orientação a produtores rurais sobre saúde dos animais e uso da água, oficina para crianças;
  • Núcleo de Apoio Contábil e Fiscal – ajuda à população na elaboração da declaração do Imposto de Renda, orientações a microempresários sobre parcelamento de dívidas, fluxo de caixa e outras demandas administrativas, orientação e cálculo sobre o valor dos imóveis atingidos pelos rejeitos de mineração.

 

 

VEJA TAMBÉM