Você está em:

Papa pede proteção para crianças imigrantes

Papa Francisco cumprimenta crianças palestinas refugiadas

O Papa Francisco enviou mensagem aos organizadores, relatores e participantes do Colóquio México-Santa Sé sobre Mobilidade humana e Desenvolvimento, ocorrido na capital mexicana. O evento foi presidido pelo secretário de Estado da Santa Sé, cardeal Pietro Parolin, e pelo secretário de Relações Exteriores do México, José Antônio Kuribreña.

 

No texto, lido na sessão inaugural pelo cardeal Parolin, o Papa ressalta o drama das crianças que, sozinhas, atravessam a fronteira com os Estados Unidos. Pede para que elas sejam acolhidas e protegidas e para que haja política de informação sobre os perigos dessas viagens. “Urge-me chamar a atenção sobre as dezenas de milhares de crianças que emigram sozinhas, sem acompanhamento, para fugir da pobreza e das violências (…) em busca de uma esperança que na maioria das vezes é em vão. Tal emergência humanitária reclama em primeiro lugar que estes menores sejam acolhidos e protegidos. Essas medidas não serão suficientes, caso não sejam acompanhadas por políticas públicas de informação sobre os perigos desse tipo de viagem e de promoção do desenvolvimento em seus países de origem”, destaca.

O Papa Francisco lembra que a emigração é um fenômeno que traz promessas e desafios. “Muitas pessoas obrigadas a emigrar sofrem e, muitas vezes, morrem tragicamente; muitos de seus direitos são violados, são obrigadas a separar-se de suas famílias e, lamentavelmente, continuam sendo objeto de atitudes racistas e xenófobas”, afirma. O Santo Padre retoma suas palavras na mensagem para o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado deste ano, em que diz ser necessário uma mudança de atitude em relação aos migrantes e refugiados por parte de todos, saindo de uma cultura do descarte, marcada pelo medo, desinteresse, marginalização em direção à cultura do encontro, “a única capaz de construir um mundo mais justo, fraterno e melhor”.

Ao final, Francisco chama a atenção, ainda, de toda a comunidade internacional para que adotem novas formas de migração legal e segura e expressa o desejo, ao Ministério de Assuntos Exteriores do governo mexicano, de “grande êxito à admirável iniciativa de organizar um colóquio de estudo e reflexão sobre o desafio da imigração”.
Estiveram presentes no Colóquio ministros de El Salvador, Guatemala e Honduras, representantes da Subsecretaria de População, Migração e Assuntos Religiosos da Secretaria de Governo, funcionários, legisladores, bispos, acadêmicos, membros do corpo diplomático e consular.


PAPA: O BEM PRECIOSO DA VIDA NÃO É O DINHEIRO, MAS O EVANGELHO

 

VEJA TAMBÉM