Você está em:

Papa pede aos jovens que ofereçam ao mundo novo sinal de harmonia em nome de Jesus

 

O Papa Francisco renovou o seu convite aos jovens  do mundo inteiro para participarem da 31ª Jornada Mundial da Juventude que será realizada na Cracóvia, Polônia, do dia 26 ao dia 31 de julho. O  Pontífice se dirigiu aos jovens por meio de mensagem gravada em vídeo, na qual frisou que  a JMJ deste ano será especialmente “sinal da misericórdia”, em razão da harmonia com a temática do ano santo extraordinário em curso. O Papa  destacou que o maior evento da juventude católica mundial se realiza, ainda, na recordação de São João Paulo II,  polonês e “artífice” da JMJ. A mensagem é divulgada pela Santa Sé, a uma semana da viagem do Papa Francisco à Cracóvia para presidir as celebrações.

Na mensagem aos jovens, o Pontífice lhes disse: “Tenho um grande desejo de me encontrar convosco para oferecer ao mundo um novo sinal da harmonia, um mosaico de rostos diferentes, de tantas raças, línguas, povos e culturas, mas todos unidos no nome de Jesus, que é o Rosto da Misericórdia». Abençoando a todos, Francisco desejou que esta seja “uma peregrinação de fé e fraternidade”.
 

“Tenho um grande desejo de me encontrar convosco para oferecer ao mundo um novo
sinal da harmonia, um mosaico de rostos diferentes, de
tantas raças, línguas, povos e culturas,
mas todos unidos
no nome de Jesus, que
é o Rosto da Misericórdia” –
mensagem do Papa Francisco aos Jovens

A visita que o Pontífice fará à Polónia de 27 a 31 de julho, segundo ele próprio,  “será também ocasião de encontro com os queridos filhos e filhas da nação polaca”, em sinal da “memória grata e devota de são João Paulo II, guia do povo polonês no seu recente caminho histórico rumo à liberdade. Um povo que passou por muitas provas, algumas extremamente difíceis, e foi em frente com a força da fé, amparado pela mão maternal da Virgem Maria”. Por isso, o Papa disse estar convicto de que a peregrinação ao Santuário de CzÄ™stochowa será para ele “uma imersão nesta fé provada”.

 

No final, o Pontífice dirigiu-se às famílias polonesas, confidenciando sua intenção de  levar-lhes idealmente a Exortação apostólica pós-sinodal Amoris laetitia” e cocluiu: “a saúde moral e espiritual de uma nação vê-se pelas suas famílias. Por isso, São João Paulo II tinha tanto carinho  pelos noivos, os recém-casados e as famílias”.

 

Na sala de imprensa da Santa Sé, o diretor Federico Lombardi apresentou os detalhes da viagem aos jornalistas que participarão no voo papal em companhia de alguns jovens deficientes.

 

da redação, com L’Osservatore Romano

VEJA TAMBÉM