Você está em:

Papa encoraja países a seguirem no caminho para a paz e a fraternidade

Na catequese  desta semana, o Papa Francisco recordou a viagem  à Geórgia e ao Azerbaijão

O Santo Papa afirmou que sua viagem à região do Cáucaso, visitando a Geórgia e o Azerbaijão deu, deu continuidade à viagem feita por ele à Armênia, no mês de junho, sendo importante oportunidade para se encontrar com  os católicos na região e encorajar esses países no seu caminho para a paz e a fraternidade.

Tanto a Geórgia como o Azerbaijão possuem raízes históricas, culturais e religiosas muito antigas – recordou Francisco –, mas enfrentam os desafios próprios de nações que reencontraram a independência há apenas 25 anos.

“A Igreja católica é chamada a se fazer presente como sinal de caridade e promoção humana, sempre em diálogo com as demais comunidades cristãs com outras religiões, a exemplo dos mulçumanos do Azerbaijão”

Nesse contexto, “a Igreja católica é chamada a se fazer presente como sinal de caridade e promoção humana, sempre em diálogo com as demais comunidades cristãs”, como é caso dos Ortodoxos na Geórgia, ou com outras religiões, a exemplo dos mulçumanos do Azerbaijão – disse o Papa.

A Eucaristia celebrada na Geórgia – destacou o Santo Padre – “coincidiu com a memória de Santa Teresinha, padroeira das missões, dando-me a ocasião de recordar que a missão não se faz com proselitismo, mas atraindo as pessoas a Cristo, partindo de uma forte união com Ele, através da oração, adoração e caridade concreta” – afirmou.

Na capital do Azerbaijão – observou ainda Francisco – “celebrei a Eucaristia com a pequena comunidade católica daquele País, salientando que a comunhão com Cristo não impede mas, ao contrário, impulsiona a procurar o diálogo com todos os que creem em Deus, a fim de se construir um mundo mais justo e fraterno”.

“Deus abençoe a Armênia, a Geórgia e o Azerbaijão e acompanhe o caminho do Seu Povo santo peregrino naqueles países” – declarou o Papa no final da sua catequese.

Nas saudações o Santo Padre dirigiu-se aos peregrinos de língua portuguesa presentes na praça, principalmente, os fiéis de Angola, Brasil e Portugal:

“Dirijo uma saudação cordial aos peregrinos de língua portuguesa, particularmente aos fiéis de Angola, Brasil e Portugal. Queridos amigos, obrigado pela vossa presença e sobretudo pelas vossas orações! Peçamos ao Espírito Santo, artífice da unidade da Igreja e entre os homens, que nos ajude a buscar sempre o diálogo com as pessoas de boa vontade, para que possamos construir um mundo de paz e solidariedade. Deus vos abençoe a vós e aos vossos entes queridos!”

VEJA TAMBÉM