Você está em:

Muitos cristãos estão anestesiados por preguiça e hipocrisia

Cidade do Vaticano (RV) – Como todas as manhãs, o Papa Francisco presidiu à Missa em sua residência, na Casa Santa Marta.

O Papa desenvolveu sua homilia comentando o trecho evangélico que narra o encontro entre Jesus e o paralítico, o qual, aos 38 anos, estava sob os pórticos perto da piscina esperando a cura.

Este homem se lamentava porque não conseguia se imergir, era sempre antecipado por alguém. Mas Jesus o cura. Um milagre que provoca críticas dos fariseus porque era sábado e, naquele dia, diziam que não se faziam milagres. Nesta narração, encontramos duas doenças fortes, espirituais: a resignação e a preguiça.
Eu penso em muitos cristãos, muitos católicos: sim, são católicos, mas sem entusiasmo, inclusive amargurados! Cada um em sua casa, tranquilos… E se alguém ousa, é reprovado.

É a doença da preguiça, da preguiça dos cristãos. Esta atitude que é paralisante do zelo apostólico, que faz dos cristãos pessoas estagnadas, tranquilas, mas não no bom sentido da palavra: que não se preocupam em sair para anunciar o Evangelho! Pessoas anestesiadas.E a anestesia, acrescentou o Papa, “é uma experiência negativa”. “A preguiça é uma tristeza (…) e esta é uma doença nossa, dos cristãos. Vamos à Missa aos domingos, mas sem incomodar. Esses cristãos sem zelo apostólico não servem, não fazem bem à Igreja. E quantos cristãos são assim, egoístas por si mesmos.

Este é o pecado da preguiça, contra a vontade de doar a novidade de Jesus aos outros, aquela novidade que me foi dada gratuitamente”, disse o Papa. Mas neste trecho do Evangelho, afirmou ainda o Pontífice, encontramos também outro pecado, quando vemos que Jesus é criticado porque curou o doente no sábado. O pecado do formalismo. “Estes cristãos não deixam lugar à graça de Deus. Sua vida cristã é ter os documentos e certidões em ordem”.

“Cristãos hipócritas a quem interessam somente as formalidades. Fecham as portas à graça de Deus. Temos muitos assim na Igreja, e isto é outro pecado! Os que pecaram de preguiça não são capazes de ir adiante com zelo apostólico porque decidiram parar em si mesmos, em suas tristezas e ressentimentos. Estes não conseguem chegar à salvação porque fecham as portas a ela!”.

“Preguiça e hipocrisia são tentações que devemos conhecer para nos defender”, advertiu o Papa. “Diante destas duas tentações, diante daquele hospital de campo, que era o símbolo da Igreja, com tanta gente ferida”, Jesus pergunta: “Queres ficar curado?” e lhe dá a graça. Quando, depois, encontra de novo o paralítico, lhe diz: “não peque mais”.

“As duas palavras cristãs: ‘queres ficar curado?’ e ‘não peque mais’, são palavras ditas com ternura, com amor. É este o caminho cristão: aproximar-se das pessoas feridas, neste hospital de campo… muitas vezes pessoas feridas por homens e mulheres da Igreja… As duas palavras de Jesus são mais bonitas do que a preguiça e a hipocrisia”.

 
 Rádio Vaticana

VEJA TAMBÉM