Você está em:

Libertemo-nos da “síndrome de Jonas” ““ o Papa na Missa desta segunda pedindo aos cristãos

 

É preciso combater a “síndrome de Jonas” que nos leva à hipocrisia de pensar que para a salvação bastam as nossas obras. Esta a principal mensagem do Papa Francisco na manhã desta segunda-feira na Missa na Capela da Casa de Santa Marta.“Síndrome de Jonas” e “Sinal de Jonas” são os dois conceitos desenvolvidos pelo Papa Francisco.

 

No primeiro refere-se aos fariseus hipócritas como geração malvada que não se preocupam com a salvação da gente pobre dos ignorantes e dos pecadores e atuam seguindo a “síndrome de Jonas” que assumia uma postura intransigente dizendo que a doutrina era aquela e os pecadores que se arranjassem! Quanto ao segundo conceito o do “sinal de Jonas” o Santo Padre esclarece ser o momento em que ele se encontra dentro da baleia por três dias e três noites, numa referência óbvia a Jesus no sepulcro. Este “sinal de Jonas” é um sinal de Jesus contra a hipocrisia dos que não lêem os sinais de Deus e que, ao contrário sofrem da “síndrome de Jonas”…

 

A síndrome de Jonas não tem zelo pela conversão da gente, procura uma santidade – permitam-me a palavra – uma santidade de tinturaria, toda bela, toda bem feita, mas sem aquele zelo de ir pregar o Senhor. Mas o Senhor perante esta geração doente da “síndrome de Jonas” promete o “sinal de Jonas”. A outra versão aquela de Mateus, diz: Jonas esteve dentro da baleia três noites e três dias, referência a Jesus no sepulcro – à sua morte e à sua ressurreição – e aquilo é o sinal que Jesus promete, contra a hipocrisia, contra esta atitude de religiosidade perfeita, contra esta atitude de um grupo de fariseus”.

 

Há uma parábola, diz o Papa, que descreve muito bem este aspeto que é aquela do fariseu e do publicano que rezam no templo. O fariseu está seguro de si próprio, ao contrário do publicano que só pede a piedade de Deus reconhecendo-se pecador. Eis o sinal que Jesus promete através da sua Morte e Ressurreição: “Misericórdia e não sacrifícios” – declarou o Papa Francisco:

 

“O sinal de Jonas, o verdadeiro, é aquele que nos dá a confiança de sermos salvos pelo sangue de Cristo. Quantos cristãos, quantos existem, que pensam que serão salvos apenas por aquilo que eles fazem, pelas suas obras. As obras são necessárias, mas são uma consequência, uma resposta ao amor misericordioso que nos salva. Mas as obras sozinhas sem este amor misericordioso não servem. A “síndrome de Jonas” tem confiança apenas na sua justiça pessoal, nas suas obras.”

 

Ao contrário desta síndrome de hipocrisia de auto-suficiência de cristãos perfeitinhos que seguem todos os mandamentos, o Santo Padre aponta o caminho dos sinais de Deus como aquele que o Papa Francisco parametrizou de “sinal de Jonas” que “nos chama a seguirmos todos o Senhor, porque todos somos pecadores, com humildade, com mansidão. Há um chamamento a seguir e também escolhas a fazer.” (RS)

 

 

 

 

 

 

Rádio Vaticana

 

 

 

14-10-2013

VEJA TAMBÉM